O absenteísmo como efeito da precarização do trabalho docente

Em artigo, a superitendente do Cenpec, Anna Helena Altenfelder, diz que o absenteísmo deve ser preocupação de toda sociedade

O Estado de S. Paulo,

17 Fevereiro 2014 | 12h37

Por Anna Helena Altenfelder

Pensar a profissão docente implica considerar desde os conhecimentos e saberes necessários ao exercício do ofício, passando pelas condições objetivas e materiais de trabalho, até a própria valorização e reconhecimento social da profissão.

A análise do absenteísmo docente passa, portanto, por todos esses fatores. Nossos professores, na sua história profissional e no dia a dia da sala de aula, vivenciam, em diferentes intensidades, questões como: déficit de formação, falta de condições objetivas de trabalho na própria escola, esgotamento físico e mental, plano de carreira pouco motivador, remuneração insuficiente, políticas educacionais estabelecidas à revelia dos próprios professores e perda de prestígio social da profissão.

São questões percebidas pelos professores como obstáculos não passíveis de serem enfrentados, gerando um aprisionamento ao cotidiano, imobilidade e um estranhamento entre aquilo que idealizam para a sua atividade e o que de fato conseguem realizar.

Resolver a questão do absenteísmo implica, assim, a formulação e implantação de políticas que superem esses obstáculos instalados de longa data que comprometem o exercício docente, o que exige investimento e envolvimento de diferentes atores e instâncias. A necessidade de priorização da educação nas políticas públicas é consenso no discurso dos gestores, mas estamos longe de concretizá-la na prática.

O absenteísmo docente deve ser uma preocupação não só da categoria, mas de toda sociedade, já que estudos comprovam que o problema tem impacto negativo sobre o desempenho escolar dos alunos e, consequentemente, sobre a garantia do direito a aprendizagem. Não devemos perder de vista que esse deve ser o foco das políticas educacionais: a garantia de um ensino de qualidade para todos.

Superintendente do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec)

Mais conteúdo sobre:
educação, professores, são paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.