Networking virtual divide especialistas

Professores questionam nova forma de relacionamento profissional, mas a maioria concorda que contatos virtuais também são úteis

Tatiana Cavalcanti, Especial para O Estado

30 Agosto 2015 | 03h00

O networking é apontado por vários especialistas como um dos empecilhos para o MBA a distância decolar. Professores se dividem em relação a essa nova forma de relacionamento para conhecer profissionais do mercado, mas a maioria concorda que os contatos virtuais também são ferramentas úteis.

Uma das grandes vantagens dos cursos presenciais é a possibilidade de conhecer outros profissionais e, com isso, ampliar a rede de contatos, de acordo com Pedro Valentim Marques, professor de MBA em Agronegócios do Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas (Pecege), ligado à Universidade de São Paulo (USP).

“A convivência traz mais benefícios no sentido de aprofundar as relações. Você conhece mais as pessoas ao vivo do que apenas pela internet. A interação durante as aulas ou até em atividades externas é fundamental e possibilita que um colega lembre mais do outro.”

Dinamismo. O professor Stavros Xanthopoylos, da Fundação Getulio Vargas (FGV), discorda. “O network em cursos online é muito mais dinâmico que o presencial, já que é criada uma rede enorme de contatos que não se limita apenas ao espaço físico.” Magno Vianna, gerente nacional do Ibmec Online e Parcerias, concorda com Xanthopoylos. “Na abertura de cada disciplina do curso, lançamos um fórum de network e ele é o que possui mais postagens. Como o curso prioriza o desenvolvimento da competência de trabalho em equipe, as relações estabelecidas nesse primeiro evento permanecem e se fortalecem ao longo do curso.”

Professor-tutor dos cursos de MBA a distância do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), Wagner José Quirici, incentiva a rede de contatos virtual. “Estimulamos a ampliação do network dos alunos por meio dos nossos fóruns de discussão. A rede de relacionamento é ampliada. Estudantes e professores trocam contatos, dicas de eventos profissionais e culturais e de mercado de trabalho.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.