Divulgação
Divulgação

Mulheres buscam MBA para alcançar homens no mercado de negócios

Correndo atrás de reconhecimento profissional, elas já superam quórum nas salas de aula em algumas regiões do mundo 

O Estado de S. Paulo

06 Março 2015 | 19h31

Às vésperas do Dia Internacional da Mulher, a consultoria norte-americana QS reuniu uma série de dados sobre a situação das profissionais no mercado de negócios e a procura por aperfeiçoamento na área com MBAs. As informações foram retiradas dos estudos QS TopMBA.com Applicant Survey 2014 e QS Global 200 Business Schools Report 2014/15.

O levantamento mostra que o poder das mulheres neste mercado ainda é inferior ao dos homens. Apenas 4,8% dos CEOs mais ricos do mundo são do sexo feminino e somente 22% de mulheres compõem os conselhos das cem empresas listadas pelo ranking FTSE 100, da  FTSE The Index Company, gerida pelo The Financial Times e pelo London Stock Exchange.

Segundo dados da Bloomberg Business, mulheres com MBA chegam a ganhar salários de até US$ 20 mil a menos do que os homens com a mesma formação em empresas de finanças de Wall Street, capital do mercado financeiro. Isso pode ser explicado pelo tipo de empresas que costuma contratar mulheres - menores e menos poderosas - e pelos cargos que elas conseguem atingir.

Os objetivos de mulheres e homens que fazem uma pós-graduação em negócios ainda são um pouco diferentes.

Segundo a pesquisa, enquanto 62% dos homens buscam melhorar as perspectivas da carreira, 67% das mulheres têm essa meta. Enquanto isso, a busca feminina por aumentos de salários é menor que a masculina. Estudantes do sexo feminino também estão mais interessadas em aprender novas habilidades (63% contra 60,2%), construir uma rede de contatos profissionais (53% ante 49,4%) e empreender em seu próprio negócio (32% ante 29,9%). Isso significa, para a QS, que as mulheres ainda precisam cavar seu espaço e deixar uma marca num mercado predominantemente masculino, um interesse que vai além do retorno econômico.

Uma das surpresas da pesquisa foi o desejo feminino de abrir a própria empresa, observada pela primeira vez como superior ao dos homens pelo estudo da consultora. O número subiu 5% com relação à pesquisa ao fim de 2013.

MULHERES COM MBA

O número de mulheres que participam de processos seletivos de MBA está cada vez mais próximo ao de homens - e em alguns casos já supera. Na J. Mach Robinson College of Business, na Georgia, Estados Unidos, por exemplo, as mulheres dominaram 70% das candidaturas a vagas para os cursos de MBA para as turmas de 2014.

A equiparidade das turmas vem aumentando com os anos em quase todos os continentes. Apenas na Ásia o número de mulheres inscritas diminiu em 2014 em relação a 2013 - a porcentagem por lá é de 34% de mulheres ante 66% de homens.

Já o leste europeu apresenta a maior igualdade nos cursos da Master of Business Administration. Em 2014, o número de mulheres que mandaram applications para as escolas de negócios superou o de homens e chegou aos 55%.

Na América Latina observa-se o maior crescimento feminino. No intervalo de um ano, 6% a mais de mulheres se inscreveram para um MBA, chegando a 47% do total de candidatos.

ÁREAS DOMINADAS PELAS MULHERES

Dentro dos domínios do mundo dos negócios, há setores de predileção de cada gênero. Enquanto as áreas de finanças, consultoria, manufatura, defesa e engenharia atraem mais homens, as áreas de direitos humanos, mídia, propaganda e setor social são as mais citadas pelas candidatas mulheres dos cursos de MBA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.