Mesmo com pé machucado, jovem enfrenta a Fuvest

Como o candidato se contundiu poucas semanas antes da prova, ele não conseguiu pedir uma sala com acessibilidade

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2014 | 14h14

SÃO PAULO - Candidato desta edição da Fuvest, Victor Ros Pegini, de 17 anos, chegou cedo para fazer a prova na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), no câmpus Butantã, zona oeste da capital, neste domingo, 30. Isso porque ele rompeu o ligamento do pé direito e tinha medo de atrasos. 

Pegini fez os principais vestibulares com o pé imobilizado, pois teve uma contusão em um jogo de futebol na escola um dia antes do Exame Nacional do Ensino Medio (Enem), no início de novembro. Como havia se inscrito antes da contusão, ele nao pôde pedir uma sala com acessibilidade. "Cheguei antes para achar um lugar com calma. Posso subir escadas com a ajuda das muletas. É mais devagar, mas não tem problema", explicou. "Tive de subir escadas no Enem e os candidatos que entravam nas salas me ajudaram."

Depois de estudar o ano inteiro, a expectativa do jovem, que está no 3º ano do ensino médio, é positiva para a prova, uma das mais difíceis e concorridas do País. Ele prestou também as provas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), do Enem e do Instituto Mauá de Tecnologia.

Nesta edição, 172.037 pessoas se inscreveram para o vestibular, sendo que 24.403 são treineiros. A disputa é por 11.057 vagas na Universidade de São Paulo (USP) e 120 em Medicina na Santa Casa. A segunda etapa do processo seletivo será feita nos dias 7, 8 e 9 de janeiro do ano que vem.

Mais conteúdo sobre:
fuvest 2015 fuvest

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.