Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Educação

Educação » Medicina e Direito da USP têm veto a festas

Educação

CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO

Medicina e Direito da USP têm veto a festas

Em agosto do ano passado, a determinação havia sido aprovada para a Cidade Universitária, no Butantã, zona oeste de SP

0

Isabela Palhares,
O Estado de S. Paulo

22 Janeiro 2016 | 03h00

SÃO PAULO - A Universidade de São Paulo (USP) estendeu nesta quinta-feira, 21, a proibição de festas com venda e consumo de bebida alcoólica nas unidades do quadrilátero da Saúde, que inclui a Escola de Medicina, e na Faculdade de Direito. Em agosto do ano passado, a determinação havia sido aprovada para a Cidade Universitária, no Butantã.

A orientação foi publicada no Diário Oficial do Estado com as regras e os protocolos a serem seguidos para a realização de eventos, que só poderão ocorrer nas unidades se tiverem “compatibilidade com a vida universitária” e possibilitarem a realização das atividades acadêmicas “sem prejuízo de suas atividades de ensino, pesquisa, cultura e extensão”.

José Rogério Tucci, diretor da Faculdade de Direito, no centro, disse que a determinação deve ter pouco impacto na unidade, uma vez que no local não são realizados eventos, por ser um prédio tombado. “A medida não tem efeito para o Centro Acadêmico que é considerado um espaço autônomo à faculdade por ter um acesso independente”, disse.

Segundo Tucci, a proibição foi estendida por preocupação com trotes e festas na Faculdade de Medicina, que teve seis casos de estupro denunciados na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trote, instalada na Assembleia Legislativa de São Paulo para apurar abusos em instituições de ensino. “A preocupação maior era com a Medicina, pelos fatos precedentes. Naturalmente, há uma preocupação dos diretores.”

Irregular. Mesmo após a proibição de eventos não autorizados na Cidade Universitária, uma festa irregular em dezembro terminou com um médico e ex-aluno da universidade agredido e morto. Nesta quinta, foi preso um terceiro suspeito de envolvimento na morte de Benício Orlando Saraiva Filho Leão, de 39 anos.

Ele foi agredido com uma pedra ao sair da festa. Imagens de câmeras de segurança da universidade capturaram o momento da agressão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.