AFP PHOTO / EVARISTO SA
AFP PHOTO / EVARISTO SA

MEC autoriza abertura de 11 cursos de Medicina no Sul e Sudeste

Serão ofertadas 710 vagas; graduações devem começar as atividades ainda este ano

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2017 | 17h37

O Ministério da Educação (MEC) autorizou nesta terça-feira, 1º, a abertura de 11 novos cursos de Medicina nas regiões Sul e Sudeste do País. O ministro Mendonça Filho oficializou a medida em cerimônia no Palácio do Planalto. 

Os 11 cursos vão ofertar 710 novas vagas, de um total de 2.305 que ainda devem ser abertas em todo o País. As novas formações serão ofertadas em cidades do Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo (veja lista abaixo). 

“Há sempre uma demanda de que a formação médica se interiorize, que possamos ter profissionais médicos formados nas mais distantes regiões do Brasil”, disse o ministro. Os cursos devem iniciar as atividades ainda este ano.

O MEC consultou o Ministério da Saúde para identificar municípios aptos a receber os novos cursos. A autorização leva em conta a necessidade da região, a infraestrutura da instituição de ensino e a relação entre o número de médicos e habitantes. 

O município ainda deve ter um hospital com mais de 80 leitos no Sistema Único de Saúde (SUS) e com potencial para hospital de ensino.

Paraná

Campo Mourão (50 vagas - Faculdade Integrado de Campo Mourão)

Pato Branco (50 vagas - Faculdade de Pato Branco - Fadep)

Rio de Janeiro

Angra dos Reis (55 vagas - Universidade Estácio de Sá - Unesa)

Rio Grande do Sul

Novo Hamburgo (60 vagas - Universidade Feevale) 

São Leopoldo (65 vagas - Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos).

São Paulo

Araras (55 vagas - Faculdade São Leopoldo Mandic)

Guarulhos (100 vagas - Universidade Nove de Julho - Uninove)

Mauá (50 vagas - Uninove)

Osasco (70 vagas - Uninove)

Rio Claro (55 vagas - Faculdade Claretianorc)

São Bernardo do Campo (100 vagas - Uninove). 

 

Mais conteúdo sobre:
Ministério da Educação medicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.