Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

.Edu

Educação » Com frases machistas, manual do 'bixo' causa polêmica na Unicamp

.Edu

Com frases machistas, manual do 'bixo' causa polêmica na Unicamp

Educação

Unicamp

Com frases machistas, manual do 'bixo' causa polêmica na Unicamp

'Ache a beleza por partes: um dia você pega uma feia com coxa boa, outro dia uma feia com o peito bom', diz texto de veteranos

0

Luiz Fernando Toledo ,
O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2016 | 12h48

SÃO PAULO - Um manual de calouros causou polêmica e revolta entre estudantes do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O "Manual de Sobrevivência do Bixo", com cerca de dez páginas, diz que "os bixos deve ser submisso ao veterano" e que "são uma raça inferior e por isso não podem exigir nada".  Há ainda menção ao consumo de bebida alcoólica, mesmo que prejudique os estudos e traz ainda frases machistas como "ache beleza por partes: um dia você pega uma feia com coxa boa, outro dia uma feia com o peito bom".

O manual dos calouros, tradicionalmente divulgado durante a recepção dos estudantes, traz dicas sobre como se familiarizar ao ambiente universitário, mostra quais são as festas organizadas pelos alunos, entre outras informações. Mas o guia da Engenharia Mecânica foi "além" e traz até um "guia das mulheres", com cantadas e frases consideradas machistas.

"Sinto-me feliz de te informar que pelo Campus você encontrará mulheres maravilhosas (poucas, mas dá pra achar!)", diz um trecho. "Você deve saber admirar flores, arco-íris, gentilezas, Chuck Norris, pôr do sol, uma bela canção, etc...Essas coisas têm efeito devastador sobre as mulheres, porém se você admirar demais essas coisas as pessoas podem começar a achar que você gosta de homens masculinos do mesmo sexo que o seu. Ou seja, elas acharão que você é um boiola", diz outro.

A estudante do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) e coordenadora do Diretório Central dos Estudantes Gabriela Bianchini, repudiou o manual. A entidade estudantil prepara ações para coibir o trote na universidade. "Vamos fazer algumas campanhas que já estavam sendo pensadas para a calourada, a fim de evitar trotes opressores, como cartazes, campanhas virtuais, mesas de debate e etc". A posição do DCE é que a repercussão do manual, no entanto, foi positiva, já que trouxe à tona o debate sobre o feminismo.

A Associação Atlética Acadêmica da Engenharia Mecânica (AAAMEC), em nota, retratou-se pelo "péssimo" manual. "Assumimos nossa culpa e garantimos que novas edições do manual não voltariam a ser veiculadas. A AAAMEC pede desculpa a todas as mulheres e membros da comunidade LBGT ofendidos pelo manual", diz o texto, divulgado nas redes sociais. "Tornar o ambiente universitário mais nocivo é justamente o oposto da nossa meta. Mais do que nos desculparmos, queremos trabalhar para que essa situação seja remediada". Segundo a entidade estudantil, um novo manual começou a ser elaborado "sem apologias a machismo ou quaisquer formas de preconceito", além de contar com uma "nota de esclarecimento" sobre o caso.

A Unicamp, em nota, informou que a Faculdade de Engenharia Mecânica promoverá reuniões com os estudantes para elaborar um novo documento "estabelecendo um código de ética para as atividades extracurriculares". Informou ainda que o Disk Trote (19 3521-1449) está disponível para receebr denúncias sobre constrangimentos ou trote violento.

Histórico. Não é a primeira vez que um manual de calouros causa polêmica: no ano passado, alunos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq) divulgaram material semelhante, no ano passado, com mensagens ofensivas e de apologia do consumo de álcool durante o início do ano letivo. O item foi alvo de sindicância interna na unidade.

Em 2012, manual distribuído na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR) também causou conflito entre os alunos. Segundo o panfleto, que usava a legislação brasileira para justificar os conselhos, caso a mulher prometesse algo e não cumprisse, caberia ao aluno "usar o artigo 252 do Código Civil: não pode o devedor obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra.” O texto publicado ainda complementava: “Ela vai ter que dar tudo de uma vez". A direção da UFPR repudiou o conteúdo do material à época. Estudantes alegaram que o material foi alterado.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.