Antônio Cruz/ABr
Antônio Cruz/ABr

Manifestação na Esplanada cobra educação de qualidade

Destinação dos royalties do petróleo para a educação estava entre as principais reivindicações

Agência Brasil,

02 Abril 2013 | 19h08

Estudantes e integrantes de movimentos sociais fizeram nesta terça-feira, 2, uma marcha na Esplanada dos Ministérios para reivindicar ações como educação pública de qualidade, políticas públicas para a juventude no campo e combate ao racismo e à violência contra os jovens. O movimento faz parte da Jornada Nacional de Lutas da Juventude Brasileira, que conta com a adesão de cerca de 40 movimentos sociais.

Ao longo da marcha, que terminou em frente ao Congresso Nacional, os representantes dos movimentos sociais expuseram os principais eixos de reivindicação da jornada que são a destinação dos royalties do petróleo para a educação; trabalho decente para a juventude; reformas política e agrária; e a democratização da comunicação de massa.

Segundo o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Daniel Iliescu, a educação é um tema central da mobilização. “Existe uma bandeira principal que é a destinação dos royalties do petróleo e do Fundo Social do pré-sal para financiar a educação. O investimento de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) na educação pode ser viável sim, desde que aproveitados os royalties do petróleo. Queremos chamar a atenção da sociedade, do Congresso e do governo.”

A juventude rural também marcou presença na marcha. A representante da Federação dos Trabalhadores da Agricultura de Minas Gerais (Fetag-MG), Marilene Faustino, contou que a luta dos jovens do campo é por políticas públicas que se adequem às especificidades do meio rural. "Quando as políticas públicas chegam ao campo, chegam com um monte de desafios que não atendem às necessidades específicas da região. A educação no campo é uma das pautas que temos apresentado, a reforma agrária é outra luta constante. Nos sentimos muito prejudicados pela falta de políticas públicas no campo para a juventude.”

A agenda da educação também foi defendida pela União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes). O diretor de Assistência Estudantil da entidade, Mateus Diniz, cobrou uma ampla reforma no sistema de ensino. “O debate tem de ser feito pensando em uma escola que esteja de acordo com o século 21. A escola ainda é muito atrasada, não existe inserção da tecnologia. O estudante que sai do ensino médio hoje não é preparado para entrar na universidade e no mercado de trabalho.”

A expectativa da organização da jornada de lutas é que uma comissão seja recebida na próxima quinta-feira, 4, pela presidente Dilma Rousseff para apresentar a pauta de discussões. A organização do movimento estima em 3 mil o número de pessoas que participaram da mobilização. A Polícia Militar do Distrito Federal estima que a marcha contou com 4 mil participantes. Após o encerramento do ato, diversas pessoas entraram no espelho d'água do Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.