1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mais da metade dos aprovados na Unicamp é de escola pública

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 10h 54

É a primeira vez que a universidade consegue aprovar mais de 50% de alunos oriundos da escola pública; meta era prevista para 2017

Mais da metade dos aprovados no vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) deste ano é oriunda de escola pública. Os números serão divulgados nesta sexta-feira, 12, junto com a lista de todos os aprovados para as 3.320 vagas disponíveis em 70 cursos de graduação. A Unicamp não adota cotas, mas um sistema de bonificação. 

É a primeira vez que a universidade consegue aprovar mais de 50% dos candidatos vindos de escola pública e assim alcançou a meta que havia estipulado para 2017. A meta aprovada pelo Conselho Universitário da Unicamp (Consu), em 2013, também prevê chegar no próximo ano com a aprovação de 35% de candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas (PPI), que ainda não foi alcançada neste ano. 

Na Unicamp, é possível usar o resultado do Enem para compor a nota.

Na Unicamp, é possível usar o resultado do Enem para compor a nota.

Para o vestibular deste ano, a Unicamp aumentou a bonificação no vestibular para os alunos de escola pública e PPI. Já que, no ano passado, havia obtido o pior resultado de inclusão social em cinco anos, com a proporção de oriundos de escolas públicas de apenas 30,2% e 15,7%, de PPIs. Em 2014, a taxa havia sido de 36,9% e 18%, respectivamente. 

À época, a avaliação interna da Unicamp foi a de que seriam necessárias políticas mais agressivas para atingir o objetivo de inclusão. Comissões internas chegaram até a debater a adoção de cotas, mas a proposta não foi à frente. 

Mudança. Até 2015, os candidatos tinham direito ao bônus somente na segunda fase do vestibular. Para este ano, os pontos extras, passaram a ser acrescidos às notas tanto da primeira e da segunda etapa. 

Neste ano, foram adicionados 60 pontos às notas da primeira fase do vestibular para candidatos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas da rede pública. Nesse grupo, os autodeclarados pretos, pardos ou indígenas ainda tiveram direito a outros 20 pontos extras. 

Os que passaram para a segunda fase receberam 90 pontos a mais na prova de redação e nas provas dissertativas. Para os estudantes PPI egressos da rede pública, foram mais 30 pontos na segunda fase, além dos 90.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EducaçãoX