Maioria das universidades vai manter datas de seleção

USP e Unicamp, por exemplo, não farão alterações no calendário para escolha de alunos

O Estado de S. Paulo,

02 Outubro 2009 | 03h15

Consultadas pela reportagem do Estado, a maior parte das universidades que aderiram ao Enem como forma de seleção para o vestibular informou ontem que o cancelamento da prova, a princípio, não altera o calendário de exames. As instituições aguardam posicionamento do Ministério da Educação (MEC) sobre a nova edição do exame nacional.

 

Veja também:

blog Blog da Renata Cafardo: Bastidores do vazamento do Enem

link Exame deve ser aplicado na 1ª quinzena de novembro

link MEC deve manter endereços das provas

link PF mira impressão e distribuição das provas

link Professores recomendam estudar; tire suas dúvidas

link Na web, alunos lamentam e festejam cancelamento

link Enem fraudado é disponibilizado para simulados pelo MEC

video TV Estadão: Ministro da Educação fala sobre vazamento

 

As principais universidades públicas paulistas, USP, Unicamp, Unesp e Unifesp não preveem alterações até agora e prometem avisar aos alunos com antecedência sobre eventuais mudanças no cronograma. No entanto, a Fundação Getúlio Vargas pretende alterar o calendário do vestibular na próxima semana.

No Rio, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) suspendeu temporariamente as inscrições de seu processo seletivo ontem de manhã. A reitoria não quis se manifestar sobre o assunto. Segundo o ministério, 24 universidades federais aderiram à prova como forma única de seleção.

 

De um total de 21 universidades que responderam questionamentos da reportagem ontem, apenas 5, a Universidade Federal do Amazonas, a Universidade Tecnológica do Paraná, a Universidade Federal de Pernambuco, a Universidade Federal de Rio Grande e a UFRJ já confirmaram ontem alterações nos calendários.

 

A Universidade Federal de Goiás anunciou que pretende cancelar o uso do exame.

Em nota, a Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) informou que os processos seletivos das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) serão realizados "com a qualidade e segurança tradicionais." "A Andifes advoga também a completa apuração dos fatos, visando a segurança e idoneidade dos processos seletivos", ressaltou a nota.

 

Discussões

 

Parte das universidades, no entanto, discute soluções, antes mesmo da decisão do MEC sobre um novo exame. Na hipótese de ocorrer uma incompatibilidade de datas do vestibular com o Enem, a Unesp, que utiliza 10% da pontuação do exame, pretende alterar todo o seu calendário com o objetivo de aproveitar a nota da prova nacional.

 

A Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), da Unicamp, informou que a pontuação obtida pelo candidato no exame nacional só será aproveitada no vestibular se o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgar a pontuação dos candidatos até o dia 30 do mesmo mês.

 

A Universidade Federal Fluminense (UFF) considera a possibilidade de utilizar apenas as notas de seu próprio vestibular para a seleção dos novos alunos. "A segunda fase está prevista para 20 de dezembro e vai permanecer. Em último caso, o que acho que não será necessário, nós poderemos utilizar integralmente a nota da nossa primeira fase", explicou o reitor Roberto de Souza Salles.

 

A pró-reitoria de direção e gestão do desenvolvimento acadêmico da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) convocou para a manhã de hoje uma reunião de emergência para tratar dos rumos de seu vestibular a partir do cancelamento da prova do Enem. "Fomos pegos de surpresa. O calendário, agora ficou comprometido", afirmou o diretor de desenvolvimento acadêmico Carlos José Pinto.

 

 

(Alfredo Junqueira, Élida Oliveira, Lucas Frasão e Júlio Castro, especial para o Estado) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.