Mackenzie afasta professores de Arquitetura

Medida visa a ajustar curso a exigências do MEC após desempenho ruim em avaliação

Carlos Lordelo, do Estadão.edu,

28 Janeiro 2013 | 11h22

A Universidade Presbiteriana Mackenzie está afastando professores de Arquitetura e Urbanismo que não têm pós-graduação visando a ajustar o curso às exigências do Ministério da Educação (MEC).

 

A graduação teve desempenho insatisfatório em avaliação do governo e precisa fazer mudanças urgentes para sair do estado de recuperação. O remanejamento do corpo docente forçou a reitoria a adiar para a próxima semana o início do semestre letivo, que começou nesta segunda-feira, 28, para os outros cursos.

 

Oficialmente a universidade nega a saída de professores, mas estudantes dizem que 22 vão deixar a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Entre os docentes passíveis de afastamento estão profissionais do calibre de Nelson Dupré, responsável pelo projeto da Sala São Paulo, e Pedro Paulo de Mello Saraiva, que assinou a reforma do Mercado Municipal de São Paulo.

 

Membros de uma comissão criada pela instituição para discutir melhorias no curso ouvidos pelo Estado afirmam que a ideia é estimular os docentes a fazer pós para que voltem a lecionar. A universidade tem cursos de mestrado e doutorado na área e poderá conceder títulos de notório saber a quem tem trajetória profissional reconhecida fora da academia.

 

Protesto

 

Revoltados, os alunos já marcaram uma manifestação para a próxima segunda-feira. Segundo eles, a reitoria ignora a "natureza prática" da carreira. "O Mackenzie está desconsiderando a experiência, anos de prancheta e de canteiro de obra desses arquitetos, muitos deles premiados", diz o formando Miguel Lima, de 25 anos, um dos organizadores do protesto.

 

O curso do Mackenzie perdeu a autonomia após ter tirado nota 2, numa escala de 1 a 5, no Conceito Preliminar de Curso (CPC) referente a 2011. Com isso, está proibido de ampliar o número de vagas no vestibular e de oferecer aos alunos crédito do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

 

A infraestrutura e a proporção de professores com dedicação parcial ou integral puxaram o desempenho da graduação para baixo, assim como a nota ruim no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) de 2011. Parte dos alunos boicotou a prova em protesto contra a direção da faculdade, que não flexibilizou a data de entrega de projetos e trabalhos de conclusão.

 

Discussão

 

O Mackenzie montou uma comissão para avaliar os indicadores. A equipe já se reuniu duas vezes. A universidade nega ter afastado professores e, em nota, diz que "toda e qualquer decisão relativa ao corpo docente, sua qualificação e pertinência, só será tomada após o processo de análise e discussão que agora se inicia".

 

Ainda segundo a instituição, as aulas foram adiadas para a realização da "Semana de Preparação Pedagógica", um evento previsto no calendário acadêmico que inclui conferências e workshops sobre as "melhores práticas didático-pedagógicas".

Mais conteúdo sobre:
Mackenzie Arquitetura Ensino superior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.