Liminar determina a readmissão do presidente do Sintusp

Retorno de Claudionor Brandão ao quadro de funcionários da USP era uma das reinvidicações dos grevistas

Ítalo Reis, estadao.com.br

15 Junho 2009 | 15h24

O Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) informou nesta segunda-feira, 15, que uma liminar da Justiça determina que a universidade readmita Claudionor Brandão. Essa era uma das exigências da pauta dos grevistas, além do reajuste salarial de 16% mais R$ 200. A assessoria de imprensa da Reitoria da USP confirmou o recebimento, nesta manhã, da liminar, mas disse que o departamento ainda não tem um posicionamento sobre o assunto. Cabe recurso.   Veja também: Mais notícias sobre educação  Blog do Ponto Edu Manifestantes da USP, Unesp e Unicamp farão passeata na quinta Confronto entre policiais e estudantes na USP deixa um ferido  Veja galeria de imagens do confronto na USP Ordem judicial justifica a PM na USP, diz Serra   A decisão foi tomada pela 26ª Vara do Trabalho da Capital, que não passou informações sobre o assunto. O não cumprimento da liminar pode resultar em multa de R$ 10 mil reais por dia por crime de desobediência.     O diretor do Sintusp, Magno de Carvalho, disse que a decisão de demitir Brandão foi um grande erro. "Eles (reitoria) não podiam ter tomado a decisão sem antes passar por uma análise do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), alegando que era uma falta grave o Brandão fazer parte do sindicato. A liminar era razoavelmente previsível. Foi uma vitória para nós", falou. Apesar disso, Carvalho informou que a categoria continua de greve.   Passeata   Na quinta-feira, 18, a categoria planeja fazer uma caminhada em protesto contra a presença da Polícia Militar no campus da USP, além da renúncia da reitora Suely Vilela e da reabertura das negociações. A concentração será ao meio-dia no vão livre do Masp e a passeata seguirá, às 13 horas, em direção à Faculdade de Direito, no Largo de São Francisco. O Sintusp informa que representantes dos funcionários, professores e estudantes da USP, Unesp e Unicamp participarão do ato.   A Reitoria da USP, por meio de sua assessoria, afirmou que a universidade respeita o direto de greve dos funcionários e professores e destacou que "a reitora foi eleita de acordo com as regras da universidade e tem mandato até o final do ano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.