ESTADÃO
ESTADÃO

Jovens usam Excel para aprimorar agricultura familiar

Em escola do interior gaúcho, alunos aprendem tecnologia e convencem os pais a modernizar a gestão do campo

Sara Abdo, Especial para O Estado

09 Dezembro 2015 | 16h27

Usar planilhas do Excel para melhorar o desempenho da agricultura familiar não passava pela cabeça de Gabriel Hermes, de 17 anos, estudante do 2º ano do ensino médio. Mas essa concepção mudou com as aulas de projeto e gestão, realizadas no laboratório de informática da Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul (Efasc), a 156 quilômetros de Porto Alegre (RS). A ponto de Gabriel decidir apresentar essa possibilidade à sua família, dona de uma propriedade de 9 hectares. 

O início não foi fácil. Assim que ele chegou em casa e contou sobre os benefícios de usar uma tabela do Excel nos cálculos do negócio familiar, todos se assustaram.  "Eles recusaram, mas como eu estava seguro da eficiência, insisti." Tal insistência garantiu uma vitória e tanto: os pais de Gabriel separaram uma parte do terreno para que o estudante pudesse colocar o projeto em prática. Empolgado, ele conta que agora se apoia na tecnologia. "Se vejo algo diferente na escola, monto um miniprojeto e ajudo meu pai a clarear suas ideias. Isso mudou a convivência com minha família."

A situação em que o estudante aprende e depois leva para casa métodos mais modernos de trabalho é comum na Efasc, segundo o coordenador institucional da escola, João Paulo Reis da Costa. Ele conta que os professores costumam se reunir com os pais para explicar que o que o jovem estuda é tão importante quanto o que a família faz. "Não é simples mostrar que são trabalhos e sabedorias complementares."

Essa conexão entre escola e campo se reflete no modelo pedagógico da Efasc, que prevê que os jovens, filhos de pequenos proprietários rurais, passem uma semana em aulas e outra nas terras da família. Em sala, o conteúdo é adaptado à realidade dos estudantes, que escutam relatos e descobrem ferramentas de trabalho. A ênfase é na cultura local: o tabaco representa 85% do total cultivado em Santa Cruz. A cidade é centro do polo que mais produz fumo no País, mas vem tentando reforçar a opção por hortaliças.

"Nosso trabalho com a informática potencializa o domínio da técnica que o aluno pode até já ter, mas nunca usou como ferramenta educacional", conta o coordenador da Efasc. Ferramentas como o Excel estão se tornando fundamentais para contabilizar e analisar custo de produção, área plantada e distribuição. "Ensinamos ao aluno como se faz projetos, inclusive, para pedido de financiamento." Criada em 2009, a EFASC orienta 96 alunos em 2015. Desses, pelo menos 85 têm notebook e 70% contam com internet em casa. 

Inque Schneider, da diretoria da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (FETAG-RS), avalia que a tecnologia na educação do campo reduz a tendência de o jovem migrar para a cidade em busca de evolução. "Essa tecnologia deixa o jovem mais satisfeito no seu espaço de origem."

Sara Abdo foi finalista do 10º Prêmio Santander Jovem Jornalista 

A fase final e a cerimônia de premiação ocorreram na segunda-feira, 7, na sede do banco, com a participação dos diretores de Conteúdo e Desenvolvimento Editorial do Grupo Estado, Ricardo Gandour e Roberto Gazzi, respectivamente, e de Clau Duarte, Superintendente Executiva de Comunicação Externa do Santander. Os finalistas receberam laptops e garantiram a publicação de suas matérias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.