Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Jovens apostam em 'doutorado informal'

Opção pela pesquisa fora da universidade atrai graduados que dispensam bancas de avaliação ou prazos para concluir teses

Victor Vieira, O Estado de S.Paulo

20 Julho 2014 | 02h03

Atualizado em 21 de julho.

Fora de universidades e institutos de pesquisa, jovens têm conduzido cada vez mais projetos autônomos de investigação. Batizadas de "doutorados informais", as iniciativas dispensam bancas de avaliação ou prazos para concluir teses. A proposta é construir conhecimento de modo diferente ao da academia, com liberdade e mais troca de experiências, sobretudo em comunidades virtuais.

Formado em Administração Pública, Alex Bretas, de 23 anos, é um dos entusiastas da pós-graduação sem diploma. Ele pretende iniciar, no segundo semestre, um projeto de pesquisa sobre cinco modelos alternativos de aprendizagem entre adultos - inovadores como o próprio formato escolhido por ele para a investigação. "Sempre tive inquietações sobre os sistemas de ensino tradicionais, feitos na universidade. Quero seguir um caminho diferente, mais autodidata e interativo."

Para custear um livro, produto final do trabalho, Bretas recorreu ao crowdfunding - espécie de "vaquinha" online para projetos colaborativos. E teve sucesso: em 17 dias ele conseguiu os cerca de R$ 8,9 mil pedidos para o projeto. A verba também servirá, segundo ele, para custear atividades de campo. 

Na descrição do projeto, que ganhou o nome de Educação Fora da Caixa e tem 80 financiadores, Bretas também prevê bibliografia, que inclui autores da área de Educação como Rubem Alves e Paulo Freire. "Não há o rigor acadêmico tradicional, mas preocupação em mostrar quais são as referências para a aprendizagem", explica o jovem, que reúne material para a empreitada desde 2013. 

No lugar de mestres e doutores de uma mesma linha de pesquisa, a orientação será múltipla. "É autônomo, mas não um voo solo. Posso contar com a ajuda de quem for, do Brasil e de fora. Minha tarefa é buscar e pedir essas colaborações", explica ele, que cogitou levar a ideia de pesquisa para uma universidade pública. "Desisti até para ser mais coerente com meu objeto de estudo", justifica.

Lições da experiência. O jornalista André Gravatá, de 24 anos, é um veterano no doutorado informal. Em julho de 2012, ele começou sua pesquisa independente. Seu produto final será um romance, em que discutirá relações estéticas, políticas e sociais. Essa não é a primeira incursão de Gravatá na educação "fora da caixa". Ele também é um dos autores do livro Volta ao Mundo em 13 Escolas, lançado em 2013, em que, junto com três amigos, relata experiências de visitas a centros de aprendizagem inovadores de nove países.

"Quando terminei minha graduação, pensei em fazer outro curso, como Filosofia ou Artes, mas optei por um projeto próprio", lembra o jovem, que montou um blog que serve tanto como registro da trajetória quanto de plataforma de acompanhamento do trabalho. "A abertura é fundamental. A academia é muito fechada, restrita a um grupo pequeno. E há bem menos diversidade de percursos."

Para contribuir com as pesquisas, a internet também foi aliada. Ele usou redes virtuais de tutores, que ajudaram a pedido de Gravatá ou espontaneamente, com indicações de leituras ou reflexões. Como nos doutorados acadêmicos, o relacionamento com orientadores é também um desafio. "De alguns, não tive resposta. Com outros, as conexões se enfraqueceram ao longo do tempo", relata ele, que também não dispensa encontros presenciais. "Já tive orientação até em uma viagem à Índia, com um mestre que discutia filosofia oriental", conta.

Outra aprendizagem do percurso independente, de acordo com ele, é manter a disciplina. "É preciso organizar os processos, criar um mapa de estudos para não se perder." Embora cogite fazer uma pós formal no futuro, Gravatá não faz questão do aval da universidade. "Não há necessidade de legitimação, mas seria interessante construir junto com a academia."

Tendência. Processos de pesquisa e aprendizagem independentes, segundo especialistas, tendem a ganhar força nos próximos anos. “A academia se preocupa porque vê essas iniciativas como rivais”, analisa Pedro Demo, professor emérito de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em autodidatismo e educação alternativa. “Mas pesquisa ou ciência aberta não substituem a tradicional”, pondera.

Para ele, é interessante que as universidades dialoguem com esses movimentos. “Há defesa até de que são mais democráticos por envolver avaliação externa”, diz. “Dentro da academia, o olhar pode estar viciado. Mas é a universidade que ainda tem o monopólio de certificação”, acrescenta Demo, que também aponta a necessidade de criar parâmetros de técnicas e verificações.

“Embora haja autodidatismo, é muito importante a mediação”, afirma o educador português José Pacheco, idealizador da Escola da Ponte, colégio público de modelo autônomo que se tornou referência na educação internacional. “A internet, por exemplo, é um caos de informações. E a pessoa que busca nem sempre está preparada”, completa.
Mais conteúdo sobre:
doutorado informal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.