Integrantes do Parlamento Jovem analisam projetos em comissões

Alunos que atuam como 'deputados' se surpreenderam com dificuldades do trabalho parlamentar

Agência Câmara de Notícias,

26 Setembro 2012 | 19h48

Os estudantes que participam do Parlamento Jovem começaram nesta quarta-feira, 26, a analisar os projetos apresentados pelos próprios colegas. Divididos em quatro comissões, cada deputado jovem serve de relator para o projeto de outro. Entre as propostas em análise, cinco serão escolhidas para ir a voto em uma sessão simulada do Plenário na sexta, 28.

 

“Eu vim com a ideia de que político não trabalha, o que é a visão de todo mundo”, disse Ana Beatriz Rieke, de 18 anos, estudante de Londrina (PR), que relatou um projeto sobre a troca de lâmpadas comuns por econômicas.

 

Após ver o que tinha de ser feito, ela mudou radicalmente sua opinião sobre o trabalho na Câmara. “Quando cheguei aqui, me deparei com um projeto que você tem de entender do assunto e dar um parecer, uma visão sobre o que está escrito ali. Não é um trabalho fácil o dos deputados. Depende de você para saber como vão sair as leis.”

 

O projeto que Ana relatou tinha problemas porque criava despesas que não poderiam ser obrigatórias para órgãos públicos de Estados e municípios. Deputados não podem interferir na administração de Estados e municípios, e esses limites são a primeira lição para os jovens relatores.

 

“A ideia é que eles tenham uma experiência o mais perto possível da realidade. Eles aprendem a identificar quais as despesas que um projeto gera, e precisam investigar e calcular no Orçamento para escolher uma despesa para reduzir”, explicou o consultor da Câmara Vander Gontijo, que participa do projeto há quatro anos e ajudou os relatores nas dúvidas sobre a parte financeira.

 

Projeto sobre educação

 

Algumas propostas foram mais diretas, como a relatada por Tatiane Santos Medeiros, de 17, de Nova Palmeira (PB). O projeto inclui a educação de trânsito no ensino médio. “Se tem filosofia, matemática, por que não tem aulas práticas de trânsito? Com isso, você não esquece e, quando for tirar a carteira, não foi apenas um mês de aulas”, disse.

 

Mikaelison da Silva Lima, de 18, de Senhor do Bomfim (BA), teve de alterar a proposta que relatou, mas afirmou que o mais difícil será defender a proposta diante dos colegas para que ela seja uma das escolhidas. A proposta cria centros de triagem para o primeiro emprego em escolas públicas. “O projeto depende de mim para ser aprovado ou não na comissão, me senti honrado. E ainda bem que a galera ajuda a gente, porque é uma ideia que vale a pena para descobrir afinidades, ainda mais na nossa geração, que está ativa muito cedo em relação ao emprego.”

 

O trabalho das comissões termina nesta quinta, 27, quando duas propostas de cada colegiado serão escolhidas. Uma delas vai diretamente para o plenário e as que ficarem em segundo lugar vão para uma reunião com os líderes escolhidos pelas comissões.

 

Esses líderes vão debater e escolher uma delas para completar as cinco propostas que serão analisadas por todos em plenário, no último dia do Parlamento Jovem.

Mais conteúdo sobre:
Educação Câmara Congresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.