DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Ideias de alunos motivam mudanças em escolas em três Estados

Estímulo dado pelo Festival Educação suscita o debate, faz alunos repensarem o ambiente acadêmico e buscarem melhorias

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - “O que você gostaria de melhorar na sua escola?” Essa foi a pergunta que o Centro Ruth Cardoso, em parceria com diversas entidades, propôs a estudantes de nove escolas públicas e particulares de São Paulo, Florianópolis e Rio de Janeiro. O trabalho visava não só a estimular o debate entre alunos desses colégios, mas a fazer com que as melhores sugestões fossem efetivamente implementadas.

O Festival Educação, como ficou conhecido, foi realizado pela primeira vez em 2013, em São Paulo. A iniciativa contou também com escolas de Santa Catarina e do Rio de Janeiro. Houve 370 ideias inscritas por cerca de 150 alunos, 61% deles matriculados em escolas da rede pública. A lista de demandas era diversa: desde as estruturais, como reformas de bibliotecas ou criação de áreas para esportes, até as pedagógicas, como uso de tecnologias ou expressões artísticas em sala de aula. A previsão é de que outra edição do festival ocorra no ano que vem. 

Uma das participantes, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Professor Lourenço Manoel Sparapan, na região sul da capital paulista, viu a ideia apresentada no evento tornar-se realidade. Os alunos de 8.º e 9.º ano participantes sugeriram que fosse criada uma escola de idiomas. 

A solicitação foi atendida e, no ano seguinte, montou-se uma sala para o ensino de inglês, espanhol, francês e alemão. Esse trabalho durou um ano. “Foi uma vivência bem interessante. Era uma troca de ideias com pessoas de outros espaços, até de outros Estados”, comentou a coordenadora pedagógica da Emef, Andrea Silva Abreu Guilherme.

Repercussão.O encontro também repercutiu na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), na região central paulistana, que participou do encontro no ano passado. “Nós sugerimos que tivesse mais iluminação na sala de aula e também mais atividades esportivas”, afirmou Matheus Gomes da Silva Coimbra, de 19 anos, que fez o ensino médio na Fecap. 

De acordo com o jovem, hoje estudante de Publicidade e Propaganda, o colégio implementou uma sexta-feira de “recreação”, em que era permitido levar até skates e bicicletas para o pátio. Também houve troca da iluminação nas salas de aula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.