André Lessa/AE
André Lessa/AE

Haddad diz que Enem é 'caminho sem volta'

Ministro deixará o cargo em janeiro para concorrer à prefeitura de São Paulo

Lorena Amazonas, Especial para o Estadão.edu

19 Dezembro 2011 | 11h52

Em entrevista nesta manhã para a rádio Estadão ESPN, o ministro da Educação, Fernando Haddad, comentou a respeito de sua saída em janeiro, para concentrar-se em sua candidatura à prefeitura de São Paulo no próximo ano. Legalmente, ele poderia permanecer no cargo até abril, mas preferiu sair antes para "estudar e andar na cidade com tempo suficiente para apresentar um bom programa". 

O ministro não confirmou se Aloizio Mercadante, cotado como possível substituto, irá realmente ocupar seu cargo no Ministério da Educação, mas adiantou que entrega a pasta com orçamento de R$ 80 bilhões. Ele considera o valor uma vitória. "Cheguei ao MEC com orçamento de R$ 20 bilhões", afirma.

Em relação às polêmicas envolvendo o Enem, o Ministro foi incisivo e classificou os episódios envolvendo o exame como "pontuais". Para ele, a credibilidade do exame não foi abalada. "Credibilidade tem como medir. Mede-se tanto pelo aumento no número de adesões de candidatos quanto de instituições que já substituiram o vestibular". O ministro também diz acreditar que em nenhum momento houve fraude envolvendo a prova. "Até agora não houve fraude, pois ninguém entrou na universidade sem mérito", disse ele. E afima que o exame veio para ficar. "O Enem é um caminho sem volta".

Mais conteúdo sobre:
Educação Enem Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.