Grupos ligados a partidos disputam escolas invadidas

Alunos autônomos e jovens de entidades vinculadas ao PCdoB e ao PSOL vivem impasse sobre liderança na condução do movimento

Isabela Palhares, Luiz Fernando Toledo, Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

09 Dezembro 2015 | 03h00

A desocupação das escolas paulistas deflagrou um impasse em torno do comando dos protestos. Após o governador Geraldo Alckmin (PSDB) suspender o plano de fechar 93 colégios no próximo ano, alunos autônomos disputam a liderança da condução das ocupações restantes com movimentos estudantis tradicionais, ligados a partidos políticos.

Alunos de nove escolas deixaram os prédios nesta terça, segundo a Secretaria Estadual da Educação – 145 ainda estavam tomadas e, no auge, foram 196.

Ao menos duas organizações reivindicam ter legitimidade para reunir o movimento: o Comando das Escolas Ocupadas, formado por representantes de colégios invadidos e que se diz o “único porta-voz”, e o bloco da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), com os braços estadual (Upes) e municipal (Umes), sob a influência de partidos, como o PCdoB.

O Comando, que teria reunido lideranças de 130 escolas, acusa, nas redes sociais, a Ubes de tentar tirar os alunos das ocupações. “Recebemos diversas denúncias de que a Ubes está forçando e prometendo desocupar os estudantes de muitas escolas da capital. Nenhuma entidade estudantil representa os estudantes”, diz o texto. 

A Ubes, que garante ter reunido 50 escolas em suas assembleias, nega. Camila Lanes, presidente da entidade, diz que é favorável à manutenção das ocupações, mas respeita a autonomia dos colégios. “Não orientamos a desocupação. Apoiamos a decisão de cada escola.” A Ubes tem influência sobre grêmios estudantis de colégios estaduais. Alunos que lideram o movimento nas escolas acabam se conhecendo em encontros anuais de grêmios promovidos pela entidade.

Mais partido. Ligado ao PSOL, o Juntos participa de invasões em ao menos sete unidades. “Os alunos ocuparam e nós estamos nas escolas dando apoio”, diz Helen Cristine, de 17 anos, do Juntos e aluna da Escola Estadual Dario de Queiroz. 

A presidente da Apeoesp, sindicato dos docentes com lideranças ligadas ao PT, Maria Izabel Noronha, afirma agora que a entidade defende a desocupação. “Diante do anúncio do governador, podemos estabelecer um calendário de lutas que não acontece agora, mas não orientamos. Eles têm autonomia e isso deve ser respeitado.” Antes da revogação, a entidade, porém, apoiou as ocupações feitas pelos estudantes.

José Diógenes, de 19 anos, ex-aluno e ocupante da Escola Estadual Romeu de Moraes, na Lapa, diz que a decisão de continuar foi tomada em assembleia, sem influência externa. “O sindicato (Apeoesp) nos procurou, mas entendemos que o melhor é continuar.” O mesmo aconteceu na Escola Estadual Silvio Xavier, no Piqueri. “Colocaram na cabeça dos pais e professores que nossa luta foi vencida, mas não foi”, diz a aluna Dafine Cavalcanti, de 17 anos. 

 

Mais conteúdo sobre:
Geraldo Alckmin PSDB Facebook PSOL Apeoesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.