Grevistas votam pela ocupação por tempo indeterminado

Em assembleia realizada na reitoria da USP, ocupada nesta manhã, os funcionários deliberaram pela continuidade da paralisação

Paulo Saldaña, Estadão.edu

08 Junho 2010 | 15h06

Terminou há pouco a assembleia dos servidores grevistas da Universidade de São Paulo (USP) realizada dentro do prédio da reitoria, que foi invadido e ocupado nesta manhã. Os funcionários votaram pela continuidade da paralisação, que já dura 35 dias, e manutenção da ocupação por tempo indeterminado.

 

Na reunião, os servidores discutiram e planejaram algumas atividades do movimento grevista a partir de agora. Nesta noite deve ocorrer um show em frente à reitoria.

 

Para entrar no prédio, os funcionários quebraram o portão da garagem e depois forçaram a abertura de uma porta. Uma vidraça também foi quebrada e uma marreta foi usada para quebrar a parede de uma sala com portas blindadas.

 

Segundo Magno de Carvalho, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), a reconstrução dessa parede já está sendo providenciada. "Foi só um modo de a gente entrar na reitoria", disse.

 

Leia também:

 

Grevistas da USP invadem e ocupam prédio da reitoria

 

Após impasse, grevistas da USP fazem assembleia dentro da reitoria

 

Ocupação da reitoria da USP será por tempo indeterminado, diz sindicato

 

Presidente do Cruesp diz que isonomia entre servidores não existe

 

Audiência pública

 

O deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL-SP) esteve na USP e conversou com os servidores. Segundo ele, a universidade tem orçamento para conceder o reajuste de 6% aos funcionários, a principal reivindicação do movimento grevista.

 

"A grande violência foi o que o reitor João Grandino Rodas fez. Este está sendo um movimento pacífico e não houve danos ao patrimônio", afirmou, referindo-se ao desconto dos dias não trabalhados nos salários de cerca de mil funcionários.

 

Os reitores das três universidades estaduais paulistas - USP, Unesp e Unicamp - foram convocados para uma audiência pública marcada para as 10 horas desta quinta-feira, 10, na Assembleia Legislativa. Giannazi também se comprometeu a protocolar pedido de audiência pública nas comissões de Direitos Humanos e do Trabalho, segundo ele, para que Rodas "explique o processo de criminalização do movimento grevista".

Mais conteúdo sobre:
Greve USP João Grandino Rodas Sintusp Cruesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.