Governo propõe aos docentes carreira que valoriza 'mérito acadêmico'

Sugestão será detalhada em encontro no próximo dia 19; greve dura quase 1 mês

Agência Brasil,

13 Junho 2012 | 19h41

O Ministério do Planejamento se comprometeu a apresentar na próxima terça-feira, 19, aos professores das universidades federais, uma nova proposta de plano de carreira. A categoria está em greve há quase um mês. Uma das possibilidades é que seja tomada com referência a estrutura de carreira dos servidores do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que seria mais vantajosa do ponto de vista da progressão.

 

A proposta já começou a ser discutida ontem durante reunião do comando de greve com o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça. Entretanto, segundo o Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes), foi apresentada de maneira muito superficial. O governo chegou a pedir que a categoria fizesse uma trégua de 20 dias para que o semestre letivo fosse concluído, o que foi rejeitado pelos grevistas.

 

De acordo com o Ministério da Educação, a nova proposta de plano de carreira será baseada em “critérios de mérito acadêmico e valorização da dedicação ao ensino, à pesquisa e à extensão”. A possibilidade de migração dos docentes para a carreira do MCTI já está sendo discutida pelo comando de greve. Mas o movimento informou que vai aguardar a próxima reunião para conhecer a proposta concreta do governo.

 

"O governo federal espera contar com o compromisso e a compreensão dos docentes em greve e assegura que dará continuidade ao processo de modernização e expansão das universidades e dos institutos federais, contribuindo, dessa forma, para o desenvolvimento social e para a inclusão de mais brasileiros no ensino superior", diz nota divulgada pelo MEC nesta quarta-feira, 13.

Mais conteúdo sobre:
Greve Ensino superior Universidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.