Governo de São Paulo anuncia o fechamento de 94 escolas

Governo de São Paulo anuncia o fechamento de 94 escolas

Dessas unidades, 66 ficarão à disposição dos municípios para Educação de Jovens e Adultos, CEU ou creche; para sindicato, governo faz uma 'bagunça' com a reorganização

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

26 Outubro 2015 | 11h53

Atualizada às 22h04

SÃO PAULO - A Secretaria Estadual da Educação divulgou nesta segunda-feira, 26, que 94 escolas da rede serão fechadas, seus alunos serão transferidos para unidades próximas e os prédios terão outras finalidades. Dessas, 66 ficarão à disposição dos municípios para uso em Educação de Jovens e Adultos (EJA), ensino técnico ou creches. O governo do Estado promete divulgar a lista das unidades nos próximos dias. 

A mudança, anunciada em setembro pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB), prevê a reorganização das escolas estaduais para que tenham apenas um ciclo de ensino: anos iniciais do ensino fundamental (1.º ao 5.º), anos finais do fundamental (6.º ao 9.º) e ensino médio. Com isso, 311 mil alunos serão transferidos para outra unidade no próximo ano e 74 mil professores – quase um terço do 220 mil que trabalham na rede – serão afetados.

A previsão é que, a partir de 2016, São Paulo passe a ter 2.197 escolas de ciclo único, um aumento de 52% em relação às 1.443 unidades existentes. Desta forma, 43% dos 5.147 colégios do Estado terão ciclo único. 

O número é menor do que o apresentado pela secretaria inicialmente – era esperada a movimentação de 1 milhão de estudantes. O secretário da Educação, Herman Voorwald, disse que o trabalho de reorganização “não se encerra hoje”. “É um processo que tem continuidade ao longo do tempo, fundamentalmente, porque há uma queda contínua dos alunos na rede do Estado”, disse.

A estratégia, segundo a pasta, partiu de dois argumentos principais: a queda de alunos na rede estadual, que perdeu 1,8 milhão de estudantes entre 2000 e 2014, deixando 2,9 mil classes ociosas (sem turmas), e estudos que apontaram melhoria de desempenho nas unidades de ciclo único. 

Na manhã desta segunda, Voorwald apresentou dados do Idesp, principal indicador de qualidade da educação paulista, que mostraram que escolas de segmento único têm desempenho 5,1% superior nos anos iniciais, 10,5% nos anos finais e 28,4% maior no ensino médio.

Protestos. A informação foi divulgada em um contexto de protestos quase diários de professores, pais e alunos, além de críticas do principal sindicato de professores do Estado, a Apeoesp, que estimava que 162 unidades seriam fechadas.

“Vai ser bagunça. Setenta e quatro mil professores serão afetados, 94 escolas, fechadas. O professor efetivo vai ter a jornada reduzida. Se ele tem 40 horas, vai reduzir para jornada básica de 30. Não sei o que precisa piorar mais”, disse a presidente da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, que acredita que a medida também trará superlotação às salas de aula. 

Já Voorwald rebateu as declarações da dirigente sindical. “Se eu posso segmentar e focar a gestão para atuar em um grupo específico, por que não fazer? A quem interessa não fazer? Pode ter certeza de que não é para o estudante.”

O secretário ainda negou que a medida tenha caráter econômico. “Não estou preocupado com isso. Minha única leitura é pedagógica”, disse.

Transferências. Os alunos afetados deverão ser informados nos próximos dias sobre a transferência, que deve ocorrer só no que vem. De acordo com Voorwald, algumas unidades poderão fazer a mudança “paulatinamente” até 2017.

Hoje, os diretores regionais de todo o Estado vão avisar os diretores das escolas, que repassarão o recado às suas comunidades escolares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.