Jose Patricio/AE-10-1-2011
Jose Patricio/AE-10-1-2011

Fuvest cria mais uma chamada no vestibular

Aprovados na 2ª fase que não se matricularam poderão tentar outra carreira na 4ª convocação

Felipe Oda, Jornal da Tarde

02 Agosto 2011 | 13h52

A edição 2012 da Fuvest, que seleciona alunos para a Universidade de São Paulo (USP), terá uma lista a mais de aprovados em relação aos anos anteriores. A novidade foi detalhada nesta segunda-feira, com a divulgação do Manual do Candidato. A quarta chamada foi batizada de ‘reescolha’ e permitirá ao estudante aprovado na segunda fase do vestibular, mas que não tenha feito sua matrícula nas três convocações anteriores, a chance de pleitear uma vaga em qualquer carreira que tenha cadeiras remanescentes, uma flexibilidade inédita na história da Fuvest.

 

A manifestação de interesse pelas vagas de outros cursos deve começar a partir da terceira chamada e os candidatos poderão escolher até dois cursos, de qualquer carreira. Antes, ao optar por uma carreira, o estudante só poderia escolher cursos daquela mesma área, pré-identificados na inscrição. De acordo com o manual, a nota para a quarta chamada será o resultado da média aritmética entre a nota da primeira fase e as notas das duas primeiras provas da segunda fase.

 

A reescolha terá uma única chamada, divulgada em 14 de março de 2012. “Ocupar as vagas remanescentes com alunos que foram bem nas primeiras chamadas é ótimo. A universidade está selecionando os melhores”, defende Marco Tomintawa, de 18 anos, que tentará uma vaga em Relações Internacionais.

 

Ontem também foi divulgado um acréscimo na taxa de inscrição para o vestibular, que passou de R$ 100 para R$ 120. Entre as novidades para a seleção de 2012 está ainda um curioso veto aos marcadores de texto - proibição que causou estranheza entre os estudantes ouvidos pela reportagem. “Não vejo motivo. Vale a pena, muitas vezes, grifar trechos importantes das questões”, afirma o estudante Vinicius Coleho, de 17 anos, que pretende cursar Direito. Procurada pela reportagem, a Fuvest não justificou sua decisão de restringir o material na prova.

 

O Manual do Candidato traz ainda informações sobre as outras mudanças promovidas pela Fuvest para 2012. Entre as principais está o peso da nota da primeira fase do vestibular. Ela voltará a ser usada na pontuação final, mas valerá apenas 25% da nota - até 2009, a prova de múltipla escolha respondia por metade da pontuação do aluno. Houve mudanças também na nota mínima exigida para passar para a segunda fase do processo, que subiu de 22 para 27 pontos, tornando o ingresso na USP ainda mais seletivo.

 

Além disso, o número de questões da prova do segundo dia da segunda fase foi reduzido de 20 para 16. O número de aprovados para a segunda fase também diminuiu, já que a ideia é formar grupos menores e mais qualificados.

 

As inscrições para o vestibular começam no dia 26 e vão até 9 de setembro - somente pela internet. Os locais de prova da primeira fase, que será aplicada em 27 de novembro, serão divulgados no dia 21 do mesmo mês.

 

No dia 19 de dezembro sairá a lista de convocados para a segunda etapa. As provas dissertativas e a redação serão aplicadas de 8 a 10 de janeiro.

 

PARA LEMBRAR

 

linkAs medidas devem tornar o processo seletivo mais restritivo e seletivo, traduzindo, na opinião dos especialistas, uma tentativa da universidade de reter as melhores cabeças no País em seus cursos

 

linkOutra novidade para seleção deste ano é um modelo diferente para o Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp), aprovado em março. Baseado no desempenho dos alunos, poderá oferecer mais chances a estudantes da rede pública - o teto da bonificação sobe de12% para15%, mediante a pontuação obtida na primeira fase

 

linkTambém ficou definida uma alteração em relação à autenticação das informações prestadas na inscrição do vestibular, afim de identificar alunos com ensino médio incompleto que se inscrevem em carreiras específicas - e não como ‘treineiros’

Mais conteúdo sobre:
USP Vestibular Fuvest

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.