Funcionários das Etecs e Fatecs preparam ato em SP

Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paula Souza querem 37,47% de aumento; greve foi descartada

Carolina Stanisci, Especial para o Estadão.edu

05 Abril 2010 | 16h22

O Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paula Souza (Sinteps), que representa funcionários e professores das Escolas Técnicas (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) em São Paulo, vai fazer um ato público amanhã, às 14h, em frente à Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo. A categoria quer aumento salarial, entre outras reivindicações.

 

Segundo a secretária-geral do Sinteps, Silvia Elena de Lima, além do reajuste de 37,47%, a categoria quer que seja estendido a todos os funcionários um vale-refeição de R$ 20 por dia  - "nosso vale é de 4 reais" - entre outros pedidos.

 

A falta de diálogo com o governo foi uma das razões para o ato, afirmou Silvia. Em março, a pauta de reivindicações foi entregue à secretaria. O centro é uma autarquia vinculada ao órgão, e na época o titular da pasta era Geraldo Alckmin. 

 

A categoria, que representa cerca de 10 mil pessoas entre funcionários e professores das Etecs e Fatecs, decidiu mobilizar-se mesmo sem ter tido consenso, em assembleia, sobre uma paralisação. Cerca de 5 mil funcionários votaram: 45% foram a favor da greve e 55%, contra. 

 

"Houve uma expansão irresponsável e eleitoreira (das Fatecs e Etecs). Não somos contra expansão, mas tem que manter a qualidade", afirmou Silvia. "Nossa produtividade caiu em função da expansão, que não dá condições para todas as unidades."

 

Segundo o Centro Paula Souza, há mais ou menos um mês representantes do sindicato foram recebidos pela diretora-superintendente da entidade, Laura Laganá, e suas reivindicações estão sendo avaliadas.

 

A expansão das escolas e faculdades técnicas foi uma das bandeiras do governo Serra. Hoje, em todo o Estado de São Paulo, há 49 Fatecs e 183 Etecs. Até o final de 2010 o governo pretende ter 52 Fatecs - eram 26 até o final de 2006.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.