1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Universidade de São Paulo completa 80 anos

Funcionários da USP decidem permanecer em greve

Bárbara Ferreira Santos - O Estado de S. Paulo

21 Agosto 2014 | 14h 18

Em assembleia em frente à reitoria, categoria decidiu continuar paralisação contra reajuste zero de salários e corte de pontos 

SÃO PAULO - Um dia após o confronto com a Tropa de Choque da Polícia Militar durante "trancaço" dos três portões da Cidade Universitária, no Butantã, na zona oeste da capital paulista, os funcionários da Universidade de São Paulo (USP) decidiram continuar em greve contra o reajuste zero de salários e o corte de pontos. A decisão foi tomada durante uma assembleia pública do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) na manhã desta quinta-feira, 21, na frente do prédio da reitoria da universidade. 

Nilton Fukuda/Estadão
Grevistas votam pela permanência da greve em assembleia nesta quinta-feira na Cidade Universitária, na zona oeste

Um dos temas mais debatidos foi o ataque da Tropa de Choque contra grevistas nesta quarta-feira, 20. Para os funcionários, "a força policial foi desproporcional". Para Magno de Carvalho, diretor do Sintusp, a ação da polícia "lembrou os tempos da ditadura".

Os funcionários comemoraram o resultado da audiência pública no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região nesta quarta-feira, na qual a desembargadora Rilma Aparecida Hemetério negou a liminar da reitoria contra a greve.

Segundo Marcelo Pablito, diretor do Sintusp, a exigência da magistrada de antecipar as negociações entre universidade e grevistas para a próxima quarta-feira, 27, e o pedido de Rilma para que a reitoria apresente uma possibilidade de reajuste, deram "um fôlego" para os grevistas continuarem suas reivindicações. 

"Nenhuma das nossas greves foi para julgamento na Justiça. O pedido da audiência foi da reitoria. Nós achamos um absurdo chegar a essa situação(a greve chegar à Justiça), porque estamos pedindo diariamente a antecipação das reuniões de negociação com a reitoria e com o Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas)", afirmou. "Para chegar a esse ponto,  foi uma atitude da reitoria de não aceitar negociação com trabalhadores e, ontem, montar aparato policial para reprimir o movimento."

Pablito diz que a greve continuará até que as reivindicações sejam atendidas. "A nossa perspectiva é manter a greve para, se possível, chegar a uma negociação de reajuste de salários já na próxima quarta-feira, além da  devolução dos salários cortados, a não desvinculação dos hospitais da universidade e o atendimento do restante dos pontos da pauta", explicou.

Universidade de São Paulo completa 80 anos