Funcionários da Unesp param em 11 câmpus

Paralisação afetou setores como laboratórios e recursos humanos

O Estado de S. Paulo,

16 Abril 2010 | 10h11

Funcionários da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (Unesp) não trabalharam na última quinta-feira em 11 dos 23 câmpus da instituição e ameaçam entrar em greve a partir de maio.

 

As principais exigências dos servidores são reajuste de 16%, repasse de 6% dado aos professores, incorporação de R$ 200 aos salários e a revogação da portaria 788/2009, que reduz o número de funcionários com direito à promoção.

 

Sem a adesão de professores, a paralisação afetou setores como laboratórios e recursos humanos.

Mais conteúdo sobre:
educação unesp paralisação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.