Cristiano Andujar/AE-1/11/2010
Cristiano Andujar/AE-1/11/2010

‘Funciona como uma indústria’, explica diretor do primeiro longa em stop motion do Brasil

Empresa Paolo Conti se mudou para Florianópolis para fazer o filme 'Minhocas'

Carlos Lordelo, O Estado de S. Paulo

14 Dezembro 2010 | 10h33

O paulista Paolo Conti, de 33 anos, vai deixar seu nome na história da animação brasileira. O designer está dirigindo o primeiro longa-metragem do País em stop motion, Minhocas, com previsão de lançamento mundial em 2011. “Não só o primeiro, como o melhor”, brinca o sócio da Animaking Produções Cinematográficas.

 

Veja também:

 

- Sucesso de desenhos brasileiros abre espaço para cursos de formação de animadores

 

- ‘Já vivemos um longo inverno’, diz diretor do Peixonauta

 

A empresa saiu de São Paulo em 2007 para o polo de inovação tecnológica Sapiens Parque, em Florianópolis. Hoje, são 20 funcionários, mas já foram 70 entre maio e junho – a maioria, universitários de Cinema, Arquitetura e Design capacitados para o trabalho.

 

“Um estúdio de animação não vive só de animadores, mas eles fazem parte de um grupo indispensável para o projeto”, diz Conti, que contratou dez animadores para o filme, nenhum catarinense. “O mercado precisa dessa movimentação acadêmica em torno da formação de animadores, mas as universidades precisam se aproximar das empresas para saber que tipo de profissionais elas querem.”

 

FRASE

 

"Tivemos de chamar profissionais do exterior para o filme, porque são poucos os animadores disponíveis no Brasil. Formar essa mão de obra é essencial para o País se ele quiser ser competitivo e respeitado no internacional do audiovisual"

Paolo Conti, sócio da Animaking e diretor do filme Minhocas

Mais conteúdo sobre:
Animação Minhocas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.