HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Filosofia vira aula pop entre adolescentes

Disciplina desperta interesse de jovens, que fazem paralelos entre a teoria e a realidade

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2018 | 03h00

Eles não pensam em seguir carreira acadêmica, mas consideram Filosofia uma das disciplinas mais importantes que tiveram na escola. Monique Murer, de 17 anos, e Pedro Lucas de Oliveira, de 18, vão representar o Brasil neste ano na 26.ª Olimpíada Internacional de Filosofia, em Montenegro, na Europa. 

Alunos do 3.º ano da Escola Móbile, na zona sul de São Paulo, os adolescentes dizem que a disciplina deu a possibilidade de refletir sobre situações cotidianas e desenvolver um olhar mais crítico – e mesmo empático.

+++ Colégios particulares já oferecem até 78 matérias optativas no ensino médio

“Nas aulas de Filosofia, nós sempre debatíamos e fazíamos um paralelo da teoria com o que está acontecendo atualmente. Isso ajudou a mudar minha compreensão de mundo. Consigo me colocar mais no lugar do outro, lidar com opiniões diferentes da minha e esse aprendizado é importante para qualquer profissão que for seguir”, afirma Pedro Lucas, que pretende cursar Psicologia.

O processo seletivo para a competição internacional consiste em escrever um ensaio filosófico a partir da escolha de um dos quatro fragmentos de textos de grandes filósofos. Pedro Lucas discorreu sobre questões político-sociais e Monique, sobre feminismo.

“Sempre fui apaixonada pelas ideias feministas e, nas aulas, a gente acabava abordando e debatendo o tema, o que me fez enxergar de outra forma, entender melhor e gostar ainda mais”, diz a estudante, interessada na graduação de Relações Internacionais.

Em alta

Em um momento em que a Filosofia perdeu espaço na grade curricular do ensino médio como uma disciplina obrigatória – o texto da reforma não coloca Filosofia e Sociologia como disciplinas específicas, mas como “estudos e práticas” –, o interesse dos adolescentes parece ir na contramão da proposta do governo. Canais no YouTube que abordam a área chegam a ter mais de 100 mil seguidores, como o Alimente o Cérebro, em que um dos vídeos mais assistidos trata da “filosofia dos buracos negros”.

Badalada na Netflix, a série Merlí também mostra como a Filosofia pode ser apaixonante para adolescentes. A história conta a trajetória de um professor do ensino médio em uma escola catalã. No programa, o ensino da disciplina não se resume a uma série chata de conceitos, mas é considerado uma janela para a descoberta de um mundo do pensamento.

O professor Merlí Bergeron propõe como tarefa que seus alunos aprendam a pensar por si mesmos. O diretor da série Héctor Lozano já disse em entrevistas que a Filosofia não é um saber “distante e inútil”, mas pode ser usado como ferramenta para enfrentar desafios do cotidiano. Cada capítulo da série tem por título uma escola ou pensador da filosofia.

“É uma disciplina fundamental na escola, principalmente para adolescentes, que estão em um momento de questionar, de construir a própria identidade. A Filosofia provoca e isso é muito importante nessa idade”, afirma Felipe Corazza, professor da disciplina no Móbile.

Mais conteúdo sobre:
filosofia ensino médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.