Romance de Formação/Reprodução
Romance de Formação/Reprodução

Filme 'Romance de Formação' inspira universitários em pré-estreia

Documentário sobre brasileiros que estudam em instituições top foi exibido na Cásper, em SP

Carlos Lordelo, do Estadão.edu,

08 Maio 2012 | 20h41

O silêncio é um poderoso aliado dos estudantes. Na tranquilidade de seus apartamentos, os intercambistas Caetano Altafin e Victoria Saramago dedicam longas horas aos livros. Fábio Martino treina a técnica no piano noite e dia. Já Wilian Cortopassi vai ao laboratório da faculdade para testar diferentes reações químicas. A calma só é interrompida quando eles falam ao telefone ou por Skype com suas famílias, distantes milhares de quilômetros. O coração aperta, os olhos ficam marejados, mas o sonho de se formar em uma universidade de excelência, dizem, faz tudo valer a pena.

 

Os quatro são os protagonistas do documentário Romance de Formação, que teve uma sessão de pré-estreia na noite desta segunda-feira, 7, no teatro da Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. O evento foi realizado em parceria entre o Estadão.edu e a Fundação Estudar. Reuniu cerca de 60 pessoas, a maioria estudantes de comunicação. O filme chega oficialmente aos cinemas nesta sexta-feira, 11.

 

Romance... foi dirigido Julia De Simone. Ela escolheu alguns dos personagens do filme com apoio da Fundação Estudar. Wilian faz Química na PUC-Rio; Caetano é bolsista da Harvard Law School; Victoria cursa o doutorado em Literatura em Stanford; e Fábio estuda Música na Universidade de Karlsruhe, na Alemanha.

 

Impressões

 

Segundo a aluna do 2.º ano de Jornalismo da Cásper Victória Freitas, de 20 anos, o filme mostra as dificuldades que os estudantes enfrentaram para chegar onde estão. "É bem legal vê-los consquistando o que sempre sonharam", diz. "O mineiro (Wilian), por exemplo, 'enfrentou' os pais para correr atrás do que queria."

 

Em Romance..., Wilian conta que aos 16 anos escreveu uma carta aos pais explicando porque iria sair de casa, em Contagem (MG), e se mudar para São José dos Campos, no interior paulista. “Estou disposto a dar a minha vida à ciência (...) e acho que chegou a hora de dizer o que eu penso e pelo que eu luto”, dizia o texto de 2006, deixado no criado-mudo ao lado da cama onde os pais dormiam. Wilian fez cursinho no Poliedro e, seis anos depois, está prestes a se formar em Química pela PUC-Rio. Também estudou durante dois anos no Instituto Militar de Engenharia (IME).

 

A história de Caetano, o bolsista de Harvard, agradou Avana Salles, de 21, também aluna de Jornalismo. Ela, no entanto, sentiu falta de saber um pouco mais sobre a trajetória do estudante de Direito. "Ele está no topo. Com certeza teve de abrir mão de muita coisa", afirma. Em uma cena do filme, Caetano liga para o pai e conta que conseguiu trabalho em um escritório de Nova York. Em várias outras, ele bate-papo com a namorada pelo computador.

 

Para Aline Pereira, de 20 - colega de Victória e Avana - o documentário deixou três mensagens: nem toda conquista depende de esforço ("Talento também é importante"), o estímulo da família é fundamental e o preço para chegar ao sucesso passa por dificuldades como ficar longe de amigos e de namorados.

 

A estudante Melina Sternberg, de 21, saiu da sessão ainda mais decidida a fazer mestrado no exterior. Aluna de Jornalismo, ela reconhece ser uma exceção entre os colegas por querer seguir a carreira acadêmica. "Tenho vários amigos que estudam fora e o filme foi bom para dar um contraponto ao que eles me contam sobre a vida no intercâmbio", afirma. "É legal ver o Brasil exportando conhecimento e mentes pensantes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.