Férias esvaziam paralisação na USP

Dos atos programados para ontem, o maior foi o que reuniu 200 pessoas que se opõem à greve

Simone Iwasso,

26 Junho 2009 | 10h10

A greve na Universidade de São Paulo (USP) caminha para um esvaziamento. Ontem, dia em que havia protestos e atos marcados pelos sindicatos de professores e funcionários e também pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), a maior movimentação ocorreu por volta das 12h30, quando um grupo de aproximadamente 200 estudantes caminhou da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) até a Escola Politécnica levando cartazes contra a greve. Não houve tumulto. O ato programado em frente à Assembleia Legislativa pelo Fórum das Seis, entidade que reúne representantes de funcionários, professores e alunos da USP, Unesp e Unicamp, acabou se transformando apenas em visita de alguns funcionários a deputados. Somente um ônibus foi deslocado até o local para levar cerca de 20 pessoas. Além disso, nos últimos dias, os corredores das unidades da instituição têm ficado mais vazios, resultado do fim do semestre e do início das férias em várias faculdades, como a de Direito, por exemplo. Não foram feitos novos piquetes com fechamento de entradas de prédios, e a Polícia Militar também não retornou ao câmpus, em cumprimento a um acordo feito entre os manifestantes e a reitoria.  As negociações, no entanto, devem continuar na próxima semana. Para segunda-feira está programada nova rodada entre sindicatos e o conselho de reitores. Haverá uma nova reunião para discutir as pautas específicas dos funcionários com a reitora Suely Vilela – já foram duas reuniões com avanços nas propostas, segundo o sindicato. Para hoje, como parte das atividades culturais programadas pelos grevistas, está previsto um show do músico Tom Zé no velódromo do Cepeusp, a partir das 18 horas. A greve de funcionários por reajuste salarial começou no dia 5 do mês passado e ganhou maior destaque e adesões após o confronto entre PM e estudantes e funcionários dentro do câmpus no dia 9 deste mês.

Mais conteúdo sobre:
pontoedu greve na usp ensino superior greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.