Keite Marques/Divulgação
Keite Marques/Divulgação

Estudantes lançam carro de corrida feito com resina de mamona

Protótipo foi criado por alunos de engenharia da USP de São Carlos para disputar competição

Rene Moreira, Especial para O Estado

03 Junho 2015 | 15h00

São Carlos - Alunos da Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), lançaram na noite de terça-feira, 2, o novo protótipo de competição da Fórmula SAE. O veículo é chamado E13, tem pacote aerodinâmico completo e utiliza resina de mamona no painel e em outras peças. O material foi escolhido por ser barato e de fácil acesso.

Engenheiros, pesquisadores e um ex-membro da equipe que atua na montadora Mercedes-Benz falaram ao público que marcou presença nos salões da USP, em São Carlos, para conferir a novidade.

O diretor do grupo de trabalho, Renan Stefanutti, destacou a importância acadêmica e empresarial da atividade. Ele lembrou que esses projetos são focados na participação em competições estudantis realizadas em pistas pavimentadas, no estilo da Fórmula 1. "Agora vocês verão o carro funcionando", disse Stefanutti, ao convidar o público para conferir o veículo. Ele circulou com o protótipo pelo salão no térreo do prédio e também deu uma volta pela rua.

A equipe de São Carlos coleciona títulos em competições nacionais e internacionais da Society of Automoblile Engineers (SAE). São futuros engenheiros que já vão se destacando no mercado de trabalho da engenharia mecânica e automobilística.

Apoio. Os estudantes contam com a parceria de grandes empresas e são também de outros ramos da engenharia, como a elétrica, de computação, de materiais, mecatrônica e produção. Para o trabalho eles dispõem de uma sala de projetos equipada com computadores e materiais para desenvolver os veículos.

Um professor coordena as atividades e o carro lançado será agora testado nas pistas durante quatro meses, para em outubro participar da competição nacional que envolve esses inventos.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula SAE USP São Carlos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.