'Estamos fazendo um esforço para melhorar o debate pedagógico'

Presidente do Inep, Francisco Soares, explica por que as médias das disciplinas não foram divulgadas com o Ideb

Entrevista com

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

29 Novembro 2014 | 03h00

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;" CLASS="IMGEMBED

 

1.Por que as médias das disciplinas não foram divulgadas com o Ideb?

Estamos fazendo um esforço para melhorar o debate pedagógico. Divulgar as médias nesse momento, sem esse esforço, era reduzir o pedagógico a segundo plano. Foi um ano atípico, com eleições e críticas. Mas esse boletim nunca tinha sido divulgado antes desse período. E não há nada que a sociedade não sabia via Ideb.

2.Mas como fazer para que esses resultados ajudem na melhoria da educação?

Gosto de chamar o Ideb de bússola da educação básica. Ele foi divulgado e indica onde estamos. Se faz o debate público, mas não basta. Para mudar o aprendizado, preciso de uma dimensão da escola mais pedagógica. E isso não havia tido a proeminência que eu entendo que deveria ter.

3.A Base Nacional (o novo currículo brasileiro), que está sendo construída, colabora com esse processo?

A base é uma discussão razoavelmente simples nos anos iniciais e nas ciências da natureza, matemática e leitura. É mais difícil quando chega no ensino médio e nas outras dimensões. Claro que o que está escrito aqui (no boletim) estará na Base Comum, porque a Prova Brasil não pede nada irrelevante. Mas eu me sentiria mais tranquilo, na direção do Inep, se tivesse uma base nacional comum definida. Porque a Prova Brasil tem de se ater a conhecimentos e habilidades da Base.

Mais conteúdo sobre:
Inep Ideb

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.