André Lessa/Estadão
André Lessa/Estadão

Especialização em neurologia dura três anos e tem grande carga de aulas práticas

Para receber o título de especialista em neurologia, o médico precisa cursar três anos de especialização. “É uma obrigatoriedade imposta pela Comissão Nacional de Residência Médica (CMRM) e pelo Ministério da Educação (MEC)”, explica o coordenador da especialização da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, Rubens José Gagliardi.

Cris Olivette, de O Estado de S. Paulo,

08 Dezembro 2012 | 23h18

“Após concluir os seis anos da faculdade de Medicina e de obter o registro no Conselho Regional de Medicina (CRM), o profissional presta concurso para conquistar uma vaga na especialização. O primeiro ano é básico em clínica médica. Depois disso, são mais dois anos específicos em neurologia.”

 

Segundo Gagliard, nesse período de três anos, o médico recebe formação intensa e passa por treinamento prático, teórico e científico. “Nosso programa contém uma carga de aulas práticas muito grande, com atendimento nos diversos ambulatórios, pronto-socorro, unidade de terapia intensiva (UTI) e enfermaria.”

 

Os alunos também obtêm, diz o coordenador, embasamento teórico por meio de discussões de casos com os professores, revisão de literatura médica e de diretrizes, acompanhamento de publicações mundiais, participação em congressos e simpósios. “Com base nesse conhecimento, todos devem preparar um trabalho científico.”

 

Gagliardi afirma que os alunos são avaliados periodicamente, conforme determina a CMRM, e no fim do curso, apresentam uma monografia a uma banca especializada. “Sendo aprovado, o médico recebe o título de residente. Após obter esse título, pode pleitear o título de especialista, que é concedido pela Academia Brasileira de Neurologia. Antes, porém, é submetido a uma prova prática e teórica. Com o título de especialista em mãos, o médico estará apto a trabalhar em hospital, pronto-socorro e consultório.”

 

Neurologia

 

Salário (20 horas semanais)

R$ 5 mil

 

Duração (especialização)

6 semestres

 

Disciplinas

Doenças cérebro vasculares (AVC), epilepsia, estudo dos movimentos, cefaleias, distúrbio do sono, demência, neuropatias

 

‘Gostei do raciocínio clínico necessário ao diagnóstico’

Médica-estudante diz que interesse por esse ramo da Medicina ocorreu na graduação

 

Letícia Neves Duarte fez Medicina na Faculdade do Estado do Pará. “Durante a graduação, tive aula de neurologia e me encantei com a especialidade. Gostei principalmente do tipo de raciocínio clínico que temos de ter para fazer o diagnóstico”, recorda.

 

Hoje, está no segundo ano da especialização na Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo. “Meu dia a dia é intenso. Às sete horas já estou na enfermaria vendo a evolução dos pacientes e fazendo prescrições.” Depois, vai para um dos ambulatórios. “Cada dia atendendo um tipo de especialidade neurológica como epilepsia, vascular etc.”

 

Em seguida, ela passa por algum tipo de atividade teórica. “Pode ser uma aula ou a apresentação de um caso interessante, com descrição aprofundada, que depois é comentada por todos.” À tarde, ela volta a fazer consultas nos ambulatórios. “Uma vez por semana também faço plantão noturno no pronto-socorro.”

 

Letícia afirma que ainda não sabe em qual ramo da neurologia vai atuar. “Todos têm pontos interessantes. Por isso, acho importante ter a oportunidade de atender uma diversidade grande de casos. Mas vou deixar para decidir no terceiro ano.”

 

A médica ainda não decidiu se voltará para capital paraense, mas avalia que lá há mais campo de trabalho. “Além disso, é em Belém que vive a minha família.”

 

QUEM É

 

Letícia Neves Duarte

Faz especialização na Santa Casa de São Paulo

 

Aos 26 anos, está no segundo ano de neurologia. Além de fazer plantão noturno uma vez por semana no pronto-socorro da instituição, a médica acompanha os casos de pacientes internados, realiza consultas nos ambulatórios de especialidades neurológicas, participa de aulas teóricas e de apresentações de casos. Semanalmente também participa de reunião com equipe neurocirúrgica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.