Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Especialistas veem falhas no combate ao bullying nas escolas

Ações extremadas, como a de Goiânia, podem ter como origem uma série de fatores - e não só as agressões sofridas pelo garoto

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2017 | 03h00

SÃO PAULO - A ação violenta do adolescente que atirou contra colegas de sala no Colégio Goyases põe em debate, segundo especialistas, a fragilidade do combate ao bullying nas escolas. Analistas ainda destacam que ações extremadas, como a registrada na escola em Goiânia, podem ter como origem uma série de fatores - e não apenas as agressões sofridas pelo adolescente.

+++ Com arma da mãe PM, aluno de 14 anos mata 2 e fere 4 em escola de Goiânia

“A maioria das escolas, tanto públicas como privadas, ainda tem um ambiente hostil e violento. Em geral, elas acreditam que os casos podem ser resolvidos apenas com conversas pontuais ou continuam na negação do problema”, diz Ana Paula Lazzareschi, advogada especialista no tema. Para ela, colégios têm o dever de implementar programas efetivos de combate ao bullying e podem até ser processadas caso não comprovem as ações.

+++ Colegas dizem que atirador de Goiânia ameaçava matar estudantes

O bullying é caracterizado como ato de violência física ou psicológica que acontece de forma intencional e repetitiva. A intimidação normalmente se dá de forma velada. Desde fevereiro do ano passado, uma lei federal estabelece como responsabilidade das escolas a promoção de medidas de conscientização, prevenção, diagnóstico e combate ao bullying. 

 

“Ele (bullying) ocorre no parque, nas imediações da escola, no recreio. Em sala de aula, vai acontecer quando o professor está de costas ou dando atendimento individual a algum aluno. Por isso, é preciso um olhar atento às pistas que os alunos dão”, diz a psicóloga Luciana Lapa, orientadora da Escola Stance Dual, em São Paulo, e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral (Gepem) das Universidades Estaduais de Campinas (Unicamp) e Paulista (Unesp). 

 

+++ Crime em escola de Goiânia foi inspirado em Columbine e Realengo

Para Luciana, atitudes violentas podem ser resultado de vários fatores. “A experiência do bullying, o sofrimento prolongado, a falta de ajuda podem resultar em uma ação violenta. Nunca se sabe qual é a personalidade da vítima, sua situação familiar e se há problemas psiquiátricos.”

+++ 'Ele mirou em mim, mas não conseguiu', diz colega de suspeito do ataque em Goiânia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.