Denise Andrade/AE
Denise Andrade/AE

Escritor Mia Couto vai falar a estudantes do São Luís

Escritor de origem moçambicana e fama internacional dará palestra seguida de aula para 200 alunos do 3.º do ensino médio

Estadão.edu

01 Agosto 2011 | 14h41

O escritor Mia Couto vai falar para estudantes do Colégio São Luís, na próxima quarta-feira, 3. O escritor de origem moçambicana, de fama internacional, dará palestra seguida de aula para 200 alunos do 3.º do ensino médio.

A apresentação, intitulada "Contexto do mundo contemporâneo e o diálogo com a modernidade", será das 15h às 17h30, no auditório do teatro da escola. Os alunos vão debater duas obras com o autor: Terra Sonâmbula e o Último Voo do Flamingo.

Antes das férias, os alunos receberam informações dos professores sobre Mia e a orientação para lerem os dois livros.

Após o encontro, eles continuarão estudando os conteúdos das obras em sala de aula. “Todo o processo será muito rico para os alunos, sobretudo o contato com este escritor premiado”, diz Laez Fonseca, asssistente técnico-pedagógico da escola. 

Mia Couto, ou António Emílio Leite Couto, chegou a tentar a carreira de Medicina, mas desistiu da faculdade. Tornou-se jornalista e, depois, escritor. Entre as obras publicadas estão Vozes Anoitecidas, Cada Homem é uma Raça, Estórias Abesonhadas, Se Obama fosse Africano e Outras Intervenções e crônicas como O País do Queixa Andar. Entre os prêmios conquistados estão Prêmio Nacional de Ficcção (1995), da Associação dos Escritores Moçambicanos e o Prêmio Vergílio Ferreira (1999), pelo conjunto de sua obra. 

Terra Sonâmbula é o primeiro romance de Mia. Passa-se na década de 90, quando Moçambique estava devastada pela guerra civil. O protagonista é um menino sem memória, que é encontrado por um velho errante. Com o livro, Couto tornou-se o primeiro africano a vencer o prêmio União Latina das Literaturas Românticas, recebido em Roma. 

O Último Voo do Flamingo fala dos anos de guerrilha, quando Moçambique vive um momento de reestruturação social e política. A obra narra estranhos acontecimentos de uma pequena vila imaginária, Tizangara, ao sul do país. A obra tem lances sobrenaturais e mistura ficção e história.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.