Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Escolas recorrem à tutoria para ensinar aluno a estudar

Estudo monitorado ajuda crianças e jovens a organizar tarefas e pesquisas; estudantes aprendem até a respeitar a agenda

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

23 Março 2015 | 08h30

SÃO PAULO - Entre uma classe de Geometria e outra de História, escolas particulares de São Paulo têm reservado tempo para uma aula que não é de uma disciplina, mas se refere a todas. Chamadas de tutoria ou estudo monitorado, as atividades têm o objetivo de ensinar o aluno a estudar. O esforço serve como empurrão para os menos disciplinados e de guia para quem, mesmo debruçado nos livros, não consegue notas boas.

A proposta é ajudar na organização de tarefas e pesquisas, além de preparar para os testes. Outro objetivo é dar dicas sobre a melhor forma de fixar cada conteúdo. Em Matemática, praticar com vários exercícios ajuda no aprendizado, por exemplo. Em Geografia, sublinhar trechos do livro e fazer esquemas com os principais conceitos são boas estratégias.

No Colégio Santa Maria, no Jardim Marajoara, zona sul da capital, a tutoria passou a ser oferecida neste ano, no contraturno, aos alunos do ensino fundamental 2, do 6.º ao 9.º ano. "Nessa faixa etária (de 11 a 14 anos), é difícil mostrar o quanto é importante criar um hábito de estudos", explica Adriana Tiziani, coordenadora da escola. Outra vantagem é afastar os adolescentes das distrações extraclasse. "Se eles vão para casa, ligam o celular ou a TV", diz ela.

Carlos Alberto Ohara, do 8.º ano, já trocou parte das horas de videogame pelos cadernos. "Eu sempre fazia a lição de casa, porém não relia a matéria. Não achava que tinha necessidade", admite ele, de 13 anos. "Se relemos, vamos lembrar mais e fica mais fácil para a prova", diz.

Segundo a escola, a proposta tem base na neurociência: a estratégia de estudo define se o conteúdo fica na memória de curto prazo, como na "decoreba" da véspera do exame, ou de longo prazo. Além da releitura, há incentivo a tirar dúvidas com o professor-tutor e discutir com os colegas. Essas aulas são cobradas à parte, além da mensalidade. O valor depende do número de encontros na semana.

Rotina apertada. No Colégio Joana D'Arc, no Butantã, zona oeste, o estudo monitorado serviu, neste ano, para aproveitar melhor o tempo dos alunos do ensino fundamental 2. Como a escola é de tempo integral, era complicado se dedicar às disciplinas após a volta para casa. Essa atividade dá espaço para que o aluno faça a lição no colégio, com supervisão do professor. "A permanência do aluno por mais horas na escola é uma tendência mundial, mas são necessárias adaptações", afirma o diretor José Carlos Pomarico.

De acordo com ele, a vantagem desse formato é mostrar ao jovem as características de estudo das diferentes matérias e os pontos principais de cada conteúdo. "A escola não pode pressupor que o aluno é especialista em tudo", diz.

Fernando Yoshida, no 8.º ano do fundamental, aprovou a iniciativa da escola. "Às vezes, a professora nos divide em grupos de estudos ou fazemos a lição de casa juntos. É bem interessante o ambiente que se cria", diz ele, de 13 anos. "Antes, tínhamos problemas de tempo para fazer tudo em casa", diz. A aula, parte da grade curricular, ocorre duas vezes por semana.

Passo a passo. No Colégio Pentágono, no Morumbi, zona sul, a ajuda ao aluno varia segundo a faixa etária. Para os mais novos, o professor orienta até na organização do armário, de como manter todos os livros e cadernos visíveis, e da agenda, para não perder nenhuma tarefa programada. As estratégias recomendadas também variam de acordo com o perfil do aluno e da disciplina.

Sublinhar palavras-chave, fazer resumos e mapas conceituais são dicas. "O tutor também fala sobre os cuidados com as perguntas nas provas. Prestar atenção se o enunciado pede para comparar, justificar ou relacionar problemas", explica Américo dos Santos, coordenador do fundamental 2.

No Pentágono, a disciplina existe há oito anos e integra a grade curricular. Mais do que indicar os pontos de chegada, de acordo com Santos, o colégio deve mostrar o caminho correto para aprender. "O óbvio, que é importante, às vezes não é visto. A tutoria ajuda nisso", sustenta.

Giulia Moreira, do 8.º ano, conseguiu melhorar o desempenho. "Antes eu lia um texto e escrevia sobre ele, mas não estava aprendendo o conteúdo, só decorando", diz. Com recursos simples, como nomear parágrafos e procurar significados no dicionário, ela melhorou a interpretação. "Não quero aprender para a prova, mas para a vida", diz ela, de 13 anos.

Site ajuda pais a estimular filhos nas lições de casa.  Além do colégio, a responsabilidade de ensinar a criança a estudar é da família. Para dar um auxílio aos pais preocupados com o boletim dos filhos, duas educadoras criaram o projeto Socorro, Meu Filho Não Estuda, que dá consultorias online gratuitas.

A educadora Roberta Bento, uma das responsáveis pelo projeto (www.meufilhonaoestuda.com.br), alerta que as dificuldades em sala de aula podem resultar até em problemas de comportamento. “Isso pode mudar a vida da pessoa para sempre”, afirma. 

Um dos equívocos, segundo ela, é acreditar que o cérebro da nova geração é multitarefa. Música e televisão não podem dividir horário com as apostilas. “A criança não vai conseguir aprender um conteúdo novo se não se concentrar”, diz. “Mas há uma necessidade de oxigenação, fazer intervalos a cada 15, 20 minutos”, afirma.

Outro alerta de Roberta é sobre a dosagem da cobrança. “A criança deve entender que não é um favor para os pais, mas importante para ela”, afirma. “Uma dica é dar opções: ele escolher se faz a tarefa antes ou depois de outra atividade”, diz. Isso faz, segundo ela, com que o jovem se sinta mais ouvido. 

Elogios exagerados ou críticas na frente de terceiros também devem ser evitados. “Muitas vezes é uma questão de autoestima e a própria pessoa deve perceber que avançou”, diz. “E, para melhorar a aprendizagem, castigar não tem efeito nenhum”, afirma Roberta.
Mais conteúdo sobre:
Ensino fundamental

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.