Divulgação
Divulgação

Escolas públicas bem avaliadas têm ensino técnico e vestibulinho

Dos 50 colégios com melhor nota no Exame Nacional do Ensino Médio, 11 são públicos - 10 estaduais e um federal

CAMILA SANTOS, Especial para O Estado

21 Setembro 2015 | 08h00

Das 50 escolas mais bem avaliadas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e destacadas pelo Estado nas tabelas desta edição, 11 são públicas - 10 estaduais e uma federal. Com ingresso feito por meio de vestibulinho, todas oferecem ensino técnico.

Quarta instituição de ensino mais bem avaliada na listagem do centro da capital, o Instituto Federal de São Paulo (IFSP) - câmpus São Paulo destaca-se por oferecer aos alunos a opção de matrícula tanto no ensino técnico integrado ao médio quanto no técnico concomitante. A primeira alternativa permite que o estudante aprenda as matérias específicas do ensino médio padrão, como Português e Matemática, e também frequente as disciplinas específicas do curso técnico escolhido após concluir o ensino fundamental. Já a segunda proposta é voltada para quem já cursa, pelo menos, o segundo ano do ensino médio. 

Ao todo, 32 cursos técnicos, como Química, Eletrônica e Informática, estão disponíveis para os alunos. Para o diretor-geral do IFSP - câmpus São Paulo, Luís Cláudio de Matos, o diferencial no aprendizado está no contato com as atividades comuns à área escolhida, proporcionado aos estudantes já no período inicial. “Eles visitam os laboratórios desde o primeiro dia, o que faz com que vejam na prática a teoria ensinada.” 

A estudante Pamela Nascimento Vital, de 15 anos, optou por cursar o ensino técnico integrado em Mecânica no IFSP, visando a projeção posterior da carreira. “Quando eu sair daqui, terei um adicional, não somente o ensino médio, pois vivenciei situações que acontecem no dia a dia de trabalho.” Pamela aprova o grande volume de conteúdo aprendido. “Saí de uma escola que tinha 12 matérias e passei a ter 23. Com certeza, exige uma dedicação maior, mas não é algo impossível.” 

Ocupação. Já Almério Melquíades de Araújo, coordenador de Ensino Médio e Técnico do Centro Paula Souza, responsável pela administração das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) Albert Einstein e de São Mateus, atribui a boa classificação das unidades ao direcionamento profissional do ensino.

“O fato de os alunos já saírem daqui com uma ocupação permite, até mesmo, que eles consigam arcar com as despesas da graduação.” 

Por outro lado, o coordenador frisa que a experimentação de ofícios facilita a escolha do estudante por determinada carreira. “Nós sabemos que uma parcela significativa dos jovens muda bastante de ideia. Assim, a formação técnica ajuda na convicção de cada um antes da inserção no ensino superior.” 

Araújo também argumenta que o aprendizado técnico auxilia na compreensão das disciplinas ministradas ao longo do ensino médio comum. “Do ponto de vista pedagógico, o jovem que faz técnico em Eletrônica, por exemplo, vai entender muito melhor a Física e a Matemática do que aqueles aprendem somente o conteúdo regular.” 

As Etecs Albert Einstein e São Mateus têm cursos técnicos integrados e concomitantes. Entre as áreas oferecidas em ambas estão Administração e Eletrônica. 

Mais conteúdo sobre:
Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.