Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Escolas do Estado e da Prefeitura de SP terão provas bimestrais padronizadas

No Município, notas vão integrar boletim e serão devolvidas aos professores em 24h; na rede paulista, haverá ampliação de exame

Paulo Saldaña e Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

16 Junho 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O governo do Estado e a Prefeitura de São Paulo vão reforçar o monitoramento dos alunos de suas redes de ensino e implementar modelos de provas bimestrais padronizadas para todas as escolas. Nos dois projetos, o objetivo é proporcionar mais uma ferramenta pedagógica para o dia a dia de professores e diretores com base no desempenho dos estudantes, mas as secretarias também poderão usar os dados para intervenções.

No Município, a avaliação começa na próxima semana e integra o projeto Mais Educação, que reformulou em 2013 o sistema educacional sob a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). A prova bimestral padronizada obrigatória será de Português, Matemática e Ciências - na primeira edição, entretanto, Ciências não será incluída.

Alunos do 3.º ao 9.º ano do ensino fundamental farão o teste, com 36 questões dissertativas e de múltipla escolha. “Cada unidade vai ter sua leitura (dos resultados), mas com os mesmos parâmetros para toda a rede”, explica secretária adjunta de Educação do Município, Emília Cipriano. “O objetivo é pensar em intervenções do ponto de vista pedagógico. Queremos também dar retorno às crianças e às famílias.” 

As notas nesses exames vão fazer parte do boletim do aluno e serão devolvidas aos professores 24 horas depois de colocadas no sistema digital da secretaria. Segundo ela, no entanto, a ideia não é fazer rankings entre colégios e regiões. “Vamos explorar a capacidade de interpretação, de análise”, diz Emília.

Processo. Na rede estadual, alunos do 2.º ano do ensino fundamental até o 3.º do médio já fazem uma prova padronizada duas vezes ao ano. Mas, a partir de agosto, a Avaliação de Aprendizagem em Processo (AAP) - criada em 2012, na gestão anterior do governador Geraldo Alckmin (PSDB) - será bimestral. A prova tem 20 questões de Matemática e Português, dissertativas e de múltipla escolha, além de Redação, e tem base no currículo oficial do Estado.

Olavo Nogueira Filho, coordenador de Monitoramento e Avaliação Educacional da Secretaria Estadual de Educação, explica que o novo sistema permite acompanhamento contínuo da evolução dos alunos ao longo do ano. “Com auxílio dos resultados, os professores poderão tomar decisões pedagógicas com base no que está acontecendo em tempo real”, diz.

Diretora da Escola Estadual Balbina Netto Velloso, em Guaianases, zona leste, Janete Cavalcante, de 51 anos, gostou da ampliação do número de edições da prova. “A gente consegue ter parâmetro mais claro do que pretendemos com o aluno, o processo fica muito mais individualizado”, diz. “O que mais interessa é entender onde a escola foi frágil e trabalhar com essa fragilidade.” Janete conta que com os resultados da última avaliação, de fevereiro, conseguiu trabalhar dificuldades de escrita dos alunos do 4.º ano. 

Até agora, os resultados da AAP eram de uso exclusivo das escolas e diretorias de ensino. A partir de agosto, a secretaria promete um sistema que reúna dados de todas as escolas. 

Ressalvas. As provas padronizadas nas duas redes não substituem as avaliações externas, que compõem os índices educacionais do Estado e do governo federal (Idesp e Ideb). Sandra Zákia Sousa, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), faz ressalvas às mudanças. “Não é com mais aplicação de provas que vão resolver o problema de qualidade e de aprendizado”, afirma. 

Acompanhar o desenvolvimento da turma, segundo ela, é parte da organização da escola. “No fundo, parece a intensificação do controle externo da escola e de seus resultados.”

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.