Escola de Florianópolis ganha reforma e demite professor após denúncia de aluna no Facebook

'Nossa escola está ficando novinha', comemora a estudante Isadora Faber, do 'Diário de Classe'

Estadão.edu,

04 Setembro 2012 | 13h24

As denúncias feitas pela estudante Isadora Faber, de 13 anos, já estão trazendo mudanças para a Escola Básica Maria Tomázia Coelho, de Florianópolis. Uma semana após ganhar destaque na mídia com a repercussão da página “Diário de Classe”, no Facebook, a adolescente tem postado uma série de fotos que mostram reformas no colégio. "Nossa escola está ficando novinha", comentou Isadora, comemorando uma nova fechadura que o banheiro de deficientes físicos havia ganhado.

Ao longo da última semana, a escola recebeu portas, pinturas e até um novo bebedouro. Os fios que estavam à mostra e apresentavam aos alunos o risco de choque já foram cobertos. De acordo com a secretaria municipal de Educação, todas as unidades da rede da cidade têm recebido verba para a manutenção predial. Maurício Amorim Efe, diretor de infraestrutura, diz que a prefeitura já tinha feito uma série de melhorias nas escolas, mas que em pouco tempo os espaços foram depredados. No início do ano, por exemplo, 12 luminárias foram trocadas e hoje já estão danificadas.

Na última sexta-feira, 31 de agosto, a estudante postou um vídeo direcionado aos seus colegas, pedindo que eles conservassem o ambiente em que estudam. “As coisas que estão arrumadas na escola não podem ser estragadas de novo. Os alunos que quebram, eu acho que tem que ter punição. Aqui em casa se eu quebro alguma coisa da minha irmã ou ela quebra alguma coisa a gente tem que pagar da nossa mesada e eu acho que na nossa escola não pode ser diferente”, disse. Desde então, os próprios alunos passaram a integrar uma campanha de conscientização que promete envolver não só os estudantes, mas também pais, diretores e professores da escola.

A reforma do colégio não foi a única vitória de Isadora. O professor de matemática criticado pela aluna também não faz mais parte do quadro de docentes da unidade. Isadora havia publicado um vídeo no Facebook retratando a bagunça que ocorria durante as aulas dele. Em nota, a secretaria de Educação informou que o docente havia sido admitido em caráter temporário e estava sendo avaliado desde sua entrada na unidade, em fevereiro de 2012. "Seu rendimento em sala não alcançou as exigências pedagógicas da prefeitura", informou a Assessoria de Imprensa da pasta.

Nesta segunda-feira, 3, a estudante publicou uma nota comemorando a contratação de uma nova professora: "Hoje tivemos uma reunião, com a nova professora de matemática Sandra, ela convocou pais e alunos para irem até lá conhece-la. Fiquei muito satisfeita com ela, parece muito responsável. Acho que realmente vamos começar a aprender de verdade (sic)", comentou.

Mais conteúdo sobre:
Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.