1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Entidade convoca greve nacional de professores em defesa do piso

Estadão.edu, com Agência Brasil

12 Março 2012 | 12h 50

Docentes da rede pública do Distrito Federal já paralisaram as atividades nesta segunda-feira

Os professores da rede pública do Distrito Federal entraram em greve nesta segunda-feira, 12. Eles exigem equiparação salarial com outras carreiras de ensino superior do governo do DF. A paralisação mobiliza cerca de 12 mil docentes e não tem data para acabar.

 

O governo alega que não pode conceder aumento de salário para não ultrapassar o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

 

Os professores do DF recebem o piso salarial da categoria, ao contrário de seus colegas de 17 Estados, segundo mostrou levantamento divulgado hoje pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

 

Para exigir de governos estaduais e prefeituras o cumprimento da Lei do Piso do magistério, professores vão paralisar as atividades de quarta-feira, 14, a sexta-feira, 16.

 

O presidente da CNTE, Roberto Franklin Leão, destaca que o movimento pode ser ampliado, por tempo indefinido, conforme as assembleias da categoria em cada Estado.

 

“Os professores farão atos públicos e passeatas em vários Estados brasileiros. A chamada da CNTE é de três dias para fazer uma avaliação, se continuará ou não com a greve. Cada Estado tem autonomia de fazer uma avaliação e ver a situação, decidindo se deve (manter) a greve”, disse Leão, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, que foi ao ar hoje.

 

Leão destacou ainda que o piso salarial em vigor no País – que é de  R$ 1.451 – não atende às necessidades dos profissionais em educação. Segundo ele, pelos cálculos da CNTE, o ideal é fixar um piso de R$ 1.937.

 

“Os governadores e prefeitos em vez de buscarem formas de pagarem sem questionar, não, eles questionam o critério e o valor de reajuste. E, nós não aceitamos esse tipo de coisa e essa paralisação tem essa finalidade”, disse Leão.

 

Levantamento feito pela Agência Brasil publicado na semana passada aponta que nove Estados ainda não pagam o valor do piso aos professores: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Piauí, Ceará, Bahia, Alagoas, Amapá e Tocantins.

 

De acordo com o presidente da CNTE, atualmente muitos Estados e municípios não conseguem provar o que investem em educação. Pela Constituição Federal, no mínimo 20% do total arrecadado em impostos pelo Estado devem ser aplicados em educação.

 

* Corrigida às 15h50. A paralisação nacional vai ocorrer entre os dias 14 e 16, e não de hoje (12) a 14, como informado anteriormente.

** Corrigida novamente às 20h40. A greve no DF tem outra pauta de reivindicações que não a do pagamento do piso salarial.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo