Diretores da USP divulgam carta de apoio à reitora

Carta refuta violência 'seja por grevistas ou por policiais' e diz que grevistas devem preservar acesso ao trabalho

AE, Agencia Estado

16 Junho 2009 | 08h39

Diretores de 38 faculdades, institutos, escolas e centros da Universidade de São Paulo (USP) divulgaram carta em apoio à reitora Suely Vilela e à presença da Polícia Militar no câmpus na última terça-feira. Dez unidades não assinaram o documento, entre elas a Escola de Comunicações e Artes (ECA), a Faculdade de Educação e a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Há uma semana ocorreu confronto entre PM e manifestantes na Cidade Universitária, um estudante e cinco policiais ficaram feridos e três integrantes do sindicato dos funcionários foram detidos.

A manifestação de terça-feira convocada pelo diretório e por sindicatos pedia reajuste salarial e reintegração do sindicalista demitido Claudionor Brandão. Na carta, os diretores reafirmam "valores democráticos e éticos que devem reger a vida universitária", no convívio com o contraditório, debate de ideias e "o inegociável respeito aos direitos humanos e constitucionais". E que dão "total apoio à reitora no desempenho de seu papel institucional". As sete unidades de Ribeirão Preto, onde a reitora foi professora e diretora, apoiam o manifesto. Outros dois centros de Ribeirão, não mencionados no site da USP como unidades, também assinaram.

O site da USP mostra 46 unidades na universidade. A carta, que foi preparada em reunião que chamou todos diretores de unidades, refuta a violência "seja por grevistas ou por policiais". E diz que grevistas devem preservar o acesso ao trabalho, sem ameaça ou dano às pessoas ou ao patrimônio público, "como os que geraram, em primeira instância, a necessidade das ações judiciais de reintegração de posse e a subsequente presença da polícia no câmpus".

A passeata de protesto contra a presença da Polícia Militar no câmpus e pela saída da reitora Suely Vilela foi adiada de hoje para quinta e seu trajeto foi alterado: inicialmente da reitoria até o Masp, agora deve ser do Masp até a Faculdade de Direito no Largo São Francisco, a partir das 13 horas. O motivo é ter mais tempo para reunir pessoal "a Unesp e da Unicamp" disse Gabriel Casoni, diretor do Diretório Central dos Estudantes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
USP greve reitora diretores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.