Divulgação
Divulgação

Dicas para você se decidir sobre o curso de MBA

Especialista esclarece dúvidas comuns entre quem quer se candidatar: momento da carreira, processo de inscrição e escolha da instituição

Entrevista com

Paula Braga

Luiza Pollo, O Estado de S. Paulo

28 Março 2017 | 03h00

A decisão entre fazer um Master in Business Administration (MBA) ou outro curso pode ser confusa para muitos, principalmente para aqueles que não são formados em Administração de Empresas. Paula Braga, coach pessoal e profissional, sócia da Ikigai, explica que as decisões de carreira precisam ser tomadas com base no perfil de cada aluno. Portanto, não há “fórmula mágica” para o melhor caminho a ser tomado.

Entretanto, alguns pontos - como a melhor instituição para cada profissional ou a época certa para começar a se preparar - podem ser decididos com base em dicas práticas. À frente do blog MBA de A a Z, no Estado, Paula esclarece a seguir algumas dúvidas bem comuns entre profissionais que se interessam em fazer um curso de MBA.

Como escolher uma instituição para cursar MBA?

Os primeiros fatores a serem considerados são o perfil do candidato e seus objetivos profissionais e pessoais. Dentro do perfil, alguns pontos para avaliar são momento da carreira, tipo de aprendizado de preferência (presencial, online, misto) e disponibilidade ou interesse de mudança de país.

Não há uma idade ideal para se fazer um MBA. Porém, para os MBAs internacionais, em média os alunos têm entre 27 e 29 anos, enquanto para MBAs brasileiros a idade gira ao redor de 34 anos. É importante levar isso em consideração, pois a idade em geral está relacionada ao nível de experiência profissional, o que afeta diretamente a troca de experiências nas aulas. Dado que um dos principais ganhos do MBA é o networking que você vai criar, é fundamental entender o perfil dos seus futuros colegas.

Se você é uma pessoa mais reservada, talvez um MBA que requeira muitos trabalhos em grupo seja bem desafiador, desconfortável para você. Isso pode ser encarado como uma oportunidade de crescimento, como também ser extremamente irritante.

Independentemente, o ponto é não ser pego de surpresa. Faça uma boa análise do seu perfil e compare-o ao da escola. Isso vai ajudá-lo em sua decisão.

Outro fator importante a considerar na escolha da instituição para seu MBA são objetivos. Você tem um sonho de morar ou trabalhar fora do Brasil? Isso torna MBAs internacionais uma opção interessante. Você tem interesse em fazer uma transição de carreira da área de Marketing para Finanças? Escolher uma instituição com renome e network nesta nova área se torna relevante.

Em suma, para escolher, conheça a si mesmo e a escola e busque o alinhamento de valores e objetivos entre ambos.

Em que época do ano o aluno deve começar a se preparar para as seleções?

Em geral, para os MBAs nacionais, o processo seletivo é mais simples, não requerendo uma preparação com grande antecedência. Porém, para os internacionais, o ideal é começar a se planejar com pelo menos um ano de antecedência. Há três grandes pilares para seleção: as provas (Gmat/Toefl), as redações e as cartas de recomendação; e as entrevistas.

O ideal é estudar para o Gmat o quanto antes. Um ano antes, se possível, para tirar isso do caminho. Pode ser que você consiga a nota necessária em menos tempo, mas muita gente tem de conciliar estudo com trabalho, o que acaba dificultando tirar uma nota adequada em prazo curto.

Depois, por volta do começo do ano, você pode começar um trabalho de autorreflexão e investigação sobre as escolas. Dessa maneira, quando as perguntas para as redações de cada escola forem liberadas, o que ocorre ao redor de junho, você conseguirá dedicar-se a esse pilar da preparação.

O que as instituições esperam dos alunos que se inscrevem?

Toda escola busca pessoas que vão carregar bem o nome da instituição depois do curso. Elas querem pessoas que vão influenciar positivamente o mundo dos negócios, a comunidade ao seu redor e o ambiente da própria escola. Ao fazer um MBA, a escola está dando ao aluno o carimbo dela. O processo seletivo tem como objetivo garantir que as pessoas que vão seguir com esse carimbo vão contribuir para torná-lo cada vez mais prestigioso. Por isso, um ponto importante ao se candidatar a uma vaga é ter clareza e conseguir se comunicar sobre como você pretende contribuir com a escola.

Os alunos normalmente têm o retorno profissional e financeiro depois do curso?

Em se tratando de instituições conceituadas, em geral, sim. Porém, seu output é equivalente ao seu input. Se você pôs esforço (e por esforço não quero dizer só estar na sala e tirar boas notas, mas também fazer networking e contato com as empresas), se você pôs esse input, geralmente vai conseguir tirar um resultado legal, como um emprego.

Mas é preciso tomar cuidado porque, dada a crescente popularidade dessa formação, estamos sofrendo uma proliferação de cursos de MBA que não necessariamente vão criar essa empregabilidade que as pessoas estão buscando. Então, minha recomendação é sempre: vá pesquisar. Um MBA é um grande investimento de recursos (tempo, dinheiro, energia).

Dedique um tempo de qualidade para conhecer as diferentes escolas. Que suporte em relação a sua carreira você vai ter depois? A instituição vai te ajudar, por exemplo, a conseguir entrevistas, contato com empresas? Qual é o tipo de iniciativa e recursos que eles têm para te ajudar com seus objetivos? Você terá acesso a um coach durante o curso? Onde estão trabalhando os ex-alunos que fizeram o curso? Você terá acesso a essa rede de contatos? Se você busca apenas um curso e aulas, todas as instituições podem proporcionar isso. Mas, se você for como a maioria das pessoas, que vai fazer um MBA pois está buscando algo a mais na carreira, é fundamental responder a essas perguntas. 

Esse é um dos grandes diferenciais dos cursos internacionais. Além das aulas, a maioria das instituições oferece um profundo trabalho de desenvolvimento pessoal, com sessões de coaching, treinamento para entrevistas e aulas práticas sobre networking com empresas, entre outros aspectos. Por causa desse foco em desenvolver profissionais bem capacitados para o mercado de trabalho, a média de tempo de retorno financeiro para esse curso é de cinco anos.

Vale buscar um MBA quando se está desempregado ou se quer mudar de carreira?

Um MBA serve muitas vezes como um coringa no currículo. Ele é sim um grande ativo para quem pensa em mudar de carreira, pois ensina conceitos importantes para grande parte das instituições, como Gestão de Pessoas, Finanças e Marketing. Esses aprendizados são importantes no setor público, no privado, em ONGs ou como empreendedor. Porém, é prudente avaliar o quão relevante esse certificado é para a carreira que você busca.

Uma dica que sempre dou para os meus clientes é entrar no LinkedIn e olhar vagas referentes ao emprego que buscam. Entenda quais são os skills e as experiências que os empregadores procuram. Se querem pessoas que tenham MBA, fica a dica de que você precisa do curso para estar alinhado com a vaga. Outros não fazem essa exigência. Aí compensa refletir se não tem outro curso mais adequado para o que está visando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.