Descubra o que o humorista do Porta dos Fundos Fábio Porchat queria saber aos 21 anos

Porchat também é ator e colunista do 'Estado'

Estadão.edu

25 Junho 2013 | 10h02

 

"Com 21 anos eu queria saber que, aos 30, a vida é muito melhor. Se eu pudesse voltar no tempo, eu me avisaria para ficar tranquilo, calmo, que a tendência é melhorar.

A ansiedade do pós adolescente de 21 é boa, porque o coloca em atividade permanente, mas é ruim porque lhe tira o foco. Na vontade infreável de acertar, de conseguir, de se encontrar, a gente vai atirando para tudo quanto é lado.

Faz parte, é assim, mas pode se despreocupar, pode ir com menos sede ao pote. Talvez o ideal é não saber isso aos 21. O ideal é não saber disso nunca, para continuarmos caminhando com o mesmo ímpeto.

Eu sou ansioso até hoje e, quando for escrever o que eu gostaria de saber aos 30, talvez eu possa usar este mesmo artigo. Fico feliz de constatar que o jovem de 21 de hoje, dos protestos, das manifestações, sabe da força que o jovem de 21 tem, muito mais do que eu sabia. Como é importante perceber que você tem força.

Talvez eu quisesse saber aos 21 que, se o Brasil quiser parar, ele para. Que, se as pessoas forem às ruas, elas se fazem ouvidas. O moleque de 21 não sabe o que tem na mão. Ele só quer viver a vida, como se a vida acabasse aos 22. Mal sabe ele (eu, você, enfim) que a vida acaba muito depois.

Queria saber aos 21 que não saber o que quer fazer da vida é completamente normal. Anormal é ter de decidir seu futuro aos 18. Errar com 21 é ótimo, muito melhor do que errar com 50. Perceber que não é nada daquilo, que Engenharia não é para você e o seu desejo de verdade é ser cantor de ópera, isso é incrível. Não é entrar em crise, é sair de uma crise individual.

Saber com 21 que você não precisa saber como você vai ser aos 60 dá um alívio. Vai fazendo, vai transformando esse 21 em 22 com calma. Com calma não é perdendo a vontade, com calma é no sentido de na boa. Você só tem 21, mas, ao mesmo tempo, você já tem 21.

Mas isso é para a vida toda e em todas as idades. Se bem que, pensando agora, talvez o ideal mesmo fosse não saber nada aos 21.

Se você tem 21, não leia isso aqui. Pare agora e esqueça o que eu falei. O legal de ter 21 é exatamente não saber nada mesmo. O legal de ter 21 é achar legal ter 21 porque você não tem mais 20. O legal de ter 21 é achar que agora é que as coisas estão boas. Como foi possível ter 18 e 19 e ter sido feliz. No fundo, a vida está certa. A gente só pode ter 30 depois de ter passado por 21, 22, 23, 24... Se a gente pulasse uns anos, ia ficar ruim.

Eu, Fabio, se tivesse que saber alguma coisa aos 21, seria que naquela balada com os amigos no fim do ano eu exagerei no Sex on the Beach e que o dia seguinte foi o pior dia seguinte da minha vida. De resto, preferiria me deixar descobrir por mim mesmo como é terminar de fazer 21, virar 22 e chegar aos 30 que até aqui está indo bastante bem".

 

.

 Confira o suplemento completo do Estadão.edu:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.