Desafio tamanho família

Duas famílias com filhos de idades diferentes contam como escolheram o colégio das crianças e mostram por que é importante ouvi-las na hora da decisão

Gustavo Bonfiglioli e Larissa Linder, Especial para o Estado, Estadão.edu

13 Outubro 2010 | 22h36

 

Leonardo, de 11 anos, senta-se à vontade na cadeira. Pernas abertas, roupas largas e espirituoso, ele se queixa da rigidez de sua escola. Gustavo, de 14 anos, coluna reta, fica sério. Só fala quando é perguntado e já sabe que vai fazer faculdade na área de Exatas. Irmãos com perfis e idades diferentes, eles desafiam os pais a achar a escola ideal para cada um.

 

A troca de colégio dos meninos ocorreu por conta da mudança de endereço – em 2006, a família saiu do Alto da Lapa e foi para o Alto de Pinheiros, ambos na zona oeste de São Paulo. Pensando no aspecto prático, a assistente executiva Fernanda e o empresário Flávio Sato puseram os filhos numa escola perto da nova casa, religiosa.

 

Leonardo sentiu a diferença. “O Gustavo é pragmático, se adapta melhor. O Leo é mais emocional. O colégio atual o desestimulou e as notas decaíram”, diz a mãe. Para o pai, alguns docentes perseguem crianças que fogem aos padrões de disciplina da escola – cujo nome ele prefere não citar.

 

O casal procurou ajuda de uma psicopedagoga para lidar com o problema. “Nosso erro foi não dar opção a eles. Entendo que o Leonardo tenha sentido descompromisso com a nova escola, por não ter sido uma escolha da qual participou”, admite Fernanda.

 

De início, os pais pensaram em escolas com pedagogia construtivista para Leonardo, pelo ensino mais individualizado. O garoto tem um perfil questionador e está adiantado em relação aos colegas (no 7.º ano, convive com alunos de 13 anos). Depois decidiram seguir a vontade do menino.

 

“Concluímos que o Leo precisa voltar ao último referencial que teve para se reencontrar”, afirma Fernanda, que matriculou o filho no Colégio Madre Paula, onde ele estudava antes da mudança. Gustavo, por sua vez, visitou o Bandeirantes com o pai – e está decidido a estudar lá.

 

Veja também:

 

- Ranking do Enem é camisa de força, diz educadora

- Depois da escolha da escola ideal, vem outra batalha: conseguir uma vaga

- Os sinais de que é hora de mudar de colégio

 

A escolha do colégio de Luiz Otávio, de 5 anos, também depende da opção entre escolas tradicionais e alternativas. A dona de casa Maria Aparecida Moreira iniciou a peregrinação no começo do ano para matricular o filho no fundamental. O primeiro passo foi olhar os colégios perto de casa. No primeiro, teve uma decepção. “Fui recebida pela equipe de uma forma meio fria e impessoal.”

 

Nas outras duas escolas, a mãe achou as instalações muito pequenas. “Ele já mora em apartamento, quero que tenha um espaço legal para brincar.”

 

A quarta escola que Maria Aparecida procurou, a Santa Marcelina, é onde ela pretende deixar o filho. “No primeiro contato com a secretaria, já tive uma ótima impressão.”

 

No ano passado, o Estadão.edu mostrou o dilema dos pais de Valentina, de 6 anos. A atriz Mirtes Ladeira queria ver a filha numa escola tradicional; o marido, o músico André Namur, preferia uma alternativa. Venceu a praticidade.

 

“Decidimos por uma escola perto de casa que, por acaso, é tradicional”, conta Mirtes, que mora em Perdizes, zona oeste. “Estamos felizes. Meu marido ainda faz ressalvas quanto à imposição de uma religião pela escola, mas a Valentina gosta.”

Mais conteúdo sobre:
Escola Enem Psicopedagogia Psicopedagoga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.