Dedicação para aprender online

De acordo com professores, comprometimento é a peça-chave para aulas pela internet

Mônica Pestana, JORNAL DA TARDE

06 Dezembro 2010 | 12h17

Profissionais de escolas de idiomas que oferecem cursos que não exigem a presença física do aluno reforçam a ideia de que o comprometimento é peça chave para o investimento educacional alcançar um retorno positivo. É como o ritmo de academia. Você pode fazer quando quiser, mas acaba não indo o mês inteiro. Isso não pode acontecer com o curso”, diz o principal executivo da Seven Idiomas, Steven Beggs.

 

Para ele, a disciplina e a facilidade da aprendizagem sem interação com um grupo são características necessárias para quem pretende estudar usando ferramentas tecnológicas. “As aulas presenciais contam com a socialização e a distração que estão na convivência com o grupo e que são fatores motivadores”, analisa.

 

Na opinião do diretor dos cursos online da Berlitz Brasil, Ecio Scandiuzzi, a conversação e o dinamismo são fundamentais no processo de aprendizagem. “O foco é a conversação e a comunicação em tempo real é fundamental para que o processo funcione.” Para Scandiuzz, a vantagem de não precisar se deslocar para ter uma aula só é compensada se houver comprometimento por parte dos envolvidos. “Os resultados têm sido satisfatórios e estamos começando a perceber que há o interesse de pessoas mais novas.”

 

A escola já trabalhou com adolescentes, mas a procura maior ainda é de adultos. “O material para os mais novos é específico, mas é possível utilizar cursos com plataformas online para esse público”, afirma.

 

Beggs lembra ainda que os cursos online não são novidade no País. O que se observa é o uso de novas ferramentas. “É um modelo que tem tudo para dar certo, mas ainda temos problemas primários, como a conexão que pode apresentar falhas e comprometer o processo.”

 

Para o especialista, a questão que precisa ser combatida é a desistência. “Não pode ser como a academia. A partir do momento que a pessoa assume o comprometimento, ela tem de tentar seguir, mas é difícil. Vende-se bastante, mas o perigo é largar no meio do caminho.”

Mais conteúdo sobre:
idioma internet dedicação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.