Cursinhos pedem anulação de questão de física do vestibular misto da Unifesp

Aluno não conseguia chegar às respostas com os dados do enunciado da questão 15, dizem professores

Estadão.edu,

14 Dezembro 2012 | 20h29

A parte de física foi a única criticada por cursinhos no segundo e último dia de provas do vestibular misto da Unifesp, nesta sexta-feira, 14. Para professores, uma questão deve ser anulada pela banca, a de número 15, porque não dava para chegar às respostas com os dados do enunciado.

 

A questão abordava o assunto óptica e pedia para o aluno calcular, entre outras coisas, a distância focal da objetiva de um telescópio. "O candidato chega a um resultado maior do que o comprimento do próprio telescópio, o que é impossível", diz o coordenador de física do Etapa, Alexandre Lopes Moreno.

 

Segundo o professor do Objetivo Ricardo Helou Doca, a banca cometeu um erro na formulação do enunciado. A questão se baseava numa informação postada no site da USP, mas lá o diâmetro da objetiva estava correto: 101cm, e não 102cm, como apareceu no vestibular. "Não sei se foi digitação errada ou se o professor que formulou a questão quis arredondar e não percebeu a incongruência", diz Doca. "Com 102cm a questão fica furada."

 

 

O coordenador de Vestibular do Anglo, Alberto Francisco do Nascimento, diz que já procurou a Fundação Vunesp - organizadora do processo seletivo - para comunicar a falha. A reportagem tentou falar com a Assessoria de Imprensa da fundação, mas ninguém atendeu depois das 18h.

 

Ainda de acordo com Alexandre Moreno, do Etapa, os itens 11, de mecânica, e 13, de termologia, também apresentaram problemas. "Na 11, a banca deveria dizer para o candidato desprezar a altura do arremesso. Quem levou o enunciado a rigor teve muita dificuldade nas contas."

 

Para o coordenador do Etapa, a questão 13 era outra que apresentava falha. "O candidato tinha que considerar o calor latente de fusão não como o 'L' da fórmula Q=m.L, mas como o 'Q', pois a medida utilizada era caloria."

 

Moreno diz ainda que as questões 12 e 14, de mecânica e eletricidade, respectivamente, tinham formulações mais clássicas. "Elas têm contextualização, mas não é uma coisa exagerada como nas outras questões. Quando se contextualiza precisa ter muito cuidado."

 

Os candidatos também fizeram 5 questões discursivas de biologia, 5 de química e 5 de biologia. O vestibular misto seleciona alunos para os cursos de Medicina, Enfermagem, Fonoaudiologia e Ciências Biológicas (modalidade médica), no câmpus da capital, e Ciências Ambientais, Ciências Biológicas e Engenharia Química, no câmpus de Diadema. A nota do exame é somada à do Enem.

 

Alberto Nascimento, do Anglo, diz que achou a prova teve dificuldade a abrangência medianas. "Tirando a falha da questão 15, foi um exame muito bom."

 

Em matemática, os estudantes resolveram questões sobre geometria espacial, geometria analítica, sequências e progressões, trigonometria, probabilidade e razões e proporções. "Foi uma prova com dificuldade adequada e que cobrou temas importantes, pilares da matemática no ensino médio", afirma Fernando Peters, coordenador de matemática do Etapa.

 

Assim como Peters, o coordenador de química do Etapa, Israel de Souza Almeida, considerou o exame mais difícil que o do ano passado. Segundo ele, caíram três questões de físico-química - "de nível médio de dificuldade" - e duas de química orgânica - "de nível fácil". "A prova estava bem elaborada e contextualizava o conteúdo com fatos relevantes da vida real."

 

Para Roberto Biasoli, coordenador de biologia do Etapa, foram cobrados temas importantes, que são normalmente bem trabalhados no ensino médio. Ainda assim, o aluno não encontrou respostas imediatas. "O candidato tinha de fazer uma boa reflexão em cada questão para elaborar boas respostas", afirma.

 

A lista de aprovados no processo seletivo será divulgada em 29 de janeiro de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.