Conselho da USP aprova mudança de Engenharia de Petróleo para Santos

Também foi decidida a criação de três cursos de Engenharia em Lorena; propostas seguem para avaliação do Conselho Universitário

Carlos Lordelo, Estadão.edu

21 Junho 2011 | 17h51

O Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo aprovou nesta terça-feira a criação de três bacharelados na Escola de Engenharia de Lorena, no interior do Estado, e a transferência do curso de Engenharia de Petróleo da Escola Politécnica para Santos, no litoral.

 

As medidas dependem do aval do Conselho Universitário, instância máxima da USP, que se reúne para discutir o assunto no dia 28. Se as sugestões forem acolhidas, o próximo vestibular da Fuvest já oferecerá os novos cursos.

 

O câmpus de Lorena pleiteia a instalação das Engenharias Ambiental, Física e de Produção, cada uma com 40 vagas. Segundo a direção da unidade, a proposta é um “desdobramento natural” de áreas em que a escola tem grupos de pesquisa atuantes há cerca de 10 anos.

 

“A criação dos bacharelados visa a combater um dos principais gargalos ao crescimento do País, a carência de engenheiros bem formados”, diz o professor Arnaldo Ramalho Prata, presidente da Comissão de Graduação da escola. “Estamos realizando reformas para melhorar a infraestrutura dos cursos atuais e abrigar os novos ingressantes.”

 

Em Santos, a USP deve se instalar no bairro Vila Matias, na região central da cidade. O curso de Engenharia de Petróleo hoje funciona na Cidade Universitária, na zona oeste da capital. Com a mudança de endereço, o bacharelado passará a ser oferecido de forma independente na Fuvest, inicialmente, com dez vagas. A Poli planeja ampliar o número de cadeiras do curso para 50 a partir de 2013.

 

Também está em discussão na escola o aumento de 10 para 30 na quantidade de vagas do curso de Engenharia de Minas, que continuará na capital. Atualmente, o estudante presta vestibular para Engenharia na Poli e só escolhe a especialidade em Petróleo ou Minas após um ano.

 

O diretor da Poli, professor José Roberto Cardoso, diz que a unidade só espera a definição do Conselho Universitário para iniciar a adequação do prédio em Santos. “Estamos animados com a perspectiva da mudança.”

 

No mês passado, o Estadão.edu revelou o empenho do governo estadual em levar a USP para a Baixada Santista. A intenção é atender à demanda por profissionais especializados em petróleo e gás. A prefeitura de Santos também reivindica cursos nas áreas de logística e oceanografia.

 

À época, o prefeito João Paulo Tavares Papa (PMDB) disse que a instalação da universidade em Santos é “essencial” para o desenvolvimento da Baixada. “Confere à região a excelência técnica necessária para se manter nesse mercado emergente da exploração do petróleo na camada pré-sal.”

 

Fuvest terá 200 novas vagas em 2012

 

Caso seja aprovada a criação dos novos cursos de Engenharia no câmpus de Lorena, o próximo vestibular da Fuvest terá um acréscimo de 200 vagas. Em dezembro, a USP já havia decidido pela instalação de dois novos bacharelados na capital, ambos com 40 cadeiras para ingressantes. Com aulas em período integral e duração de 4 anos, Ciências Biomédicas será baseado na Cidade Universitária, no Butantã, zona oeste. Já o curso de Saúde Pública terá aulas à tarde, durante 4 anos, na Faculdade de Saúde Pública, em Pinheiros, também na zona oeste.

 

Atualizada às 21h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.