Divulgação
Divulgação

Conheça as dicas de Harvard para participar da seleção do MBA

Não inventar informações e ser breve são conselhos da diretora de admissões da escola de negócios da universidade norte-americana

O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2015 | 19h09

 O processo seletivo para um curso de MBA de alto nível não é simples. Vários requisitos são exigidos pelas principais universidades de negócios, do Brasil e do mundo, como a Harvard Business School, por exemplo.

Referência em cursos de MBA, a escola abre o período de admissão três vezes por ano, em janeiro, abril e setembro, mas durante os outros meses costuma oferecer aos futuros candidatos orientações de como se preparar para concorrer a uma vaga nas turmas seletas dos cursos que oferece em Boston, nos Estados Unidos. 

As dicas de Harvard também podem ser aproveitadas por quem não pensa em pleitear um espaço em uma das formações que a universidade oferece, afinal o modelo de application de outras instituições costuma ser parecido. 

Reunimos algumas das principais dicas que a diretora de admissões de MBA da Harvard Business School, Dee Leopold, deu aos candidatos durante um webinar (espécie de conferência pela web) transmitido no canal oficial da escola na internet.

Primeiro, o candidato terá que enviar um formulário bem completo, com uma carta de apresentação. Entre os cerca de 10 mil candidatos, apenas cerca de 2 mil passam para a fase de entrevistas, feitas com um integrante da universidade.

É importante que essa introdução contenha o histórico do candidato,  informações pessoais, suas atribuições acadêmicas, inclusive seus conhecimentos em línguas,  experiências profissionais e também sobre sua vida fora do ambiente de trabalho. 

A diretora aconselha: se você não tem uma infinidade de cursos extras, uma especialização ou pós, por exemplo, não invente. É melhor deixar os espaços em branco no formulário, já que a instituição tem formas seguras de rastrear se as informações são verdadeiras. 

Não esqueça de listar cursos livres, aqueles que não necessariamente te valeram um diploma, mas que te prepararam para uma experiência mais aprofundada em negócios. 

Dados que podem parecer banais, como se você tem irmãos ou a profissão dos seus pais, podem ser o mote de algumas perguntas na entrevista, então use o que pode ser relevante a seu favor. A carta de apresentação é livre e não tem tamanho mínimo ou máximo. O segredo é usar o melhor julgamento a respeito de suas experiências e qualificações. "Não fazemos um concurso de cartas", diz Dee Leopold, que revela que o relato não é o ponto mais importante dos pedidos de admissão. 

Para se candidatar a uma instituição estrangeira é preciso passar por alguns testes internacionais. No caso de Harvard, o GMAT ou o GRE e o Toefl ou Ielts serão exigidos. Não adianta mandar o pedido de admissão antes de fazê-los. Para os não nativos em país de língua inglesa, também será necessário explicar em que contextos você utiliza a língua para se comunicar. 

Outro requisito importante é o local onde você trabalha. Estar no mercado a pelo menos dois anos é requisito básico e a empresa em que você atua será pesquisada pelos diretores de admissão. Também será cobrado de você um panorama do que se espera na carreira depois de concluir o MBA. Para finalizar, será preciso incluir respostas a duas questões pessoais sobre resolução de problemas, tema central de todo o curso.  

Muitas perguntas serão feitas para conhecer melhor a personalidade do futuro aluno, a fim de formar uma turma diversificada. A entrevista dura cerca de 30 minutos. Variedade de experiências de vida e de trabalho serão combinadas para formar as turmas, de modo que a bagagem de cada um torne a experiência mais interessante. Algumas características que são apreciadas por Dee Leopold são capacidade de liderança e valor à cidadania. Segundo ela, a HBS procura pessoas que tenham mais a oferecer que a tomar. 

Entre as dicas do que não fazer, a principal delas é: não seja prolixo. Escrever demais, pensar demais ou se estender demais sobre um tema pode ser desastroso. "Não torne isso uma super produção", aconselha. No fim, a promessa é de que, apesar de toda a ansiedade, o processo se encaminhe como uma boa conversa.  

Portanto, prepare-se, arrisque-se e boa sorte.  O webinar com todas as informações contidas neste texto pode ser visto no site da HSB, em inglês. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.