Com ajuda de astronauta, USP quer formar engenheiros aeroespaciais

Marcos Pontes ajudou em projeto; alunos de Engenharia Aeronáutica de São Carlos teriam matérias da área aeroespacial

Carlos Lordelo, Estadão.edu

06 Maio 2011 | 18h12

Com a consultoria do astronauta Marcos Pontes, a USP elabora projeto para formar engenheiros aeroespaciais no câmpus de São Carlos. O objetivo é atender à demanda do programa espacial brasileiro por esses profissionais.

 

Pela proposta, 10 dos 40 alunos que entram anualmente no bacharelado em Engenharia Aeronáutica cursariam matérias da área aeroespacial.

 

“Esses alunos vão aprender a projetar, além de aviões, satélites e espaçonaves”, diz o professor Fernando Catalano, chefe do Departamento de Engenharia Aeronáutica da Escola de Engenharia de São Carlos. O estudante sairia com o título de bacharel em Engenharia Aeronáutica com ênfase em Engenharia Aeroespacial.

 

O projeto está em vias de ser enviado à Comissão de Graduação da unidade. Se aprovada em todas as instâncias da USP, a nova estrutura curricular deve começar a valer para os ingressantes em 2013.

 

Segundo Catalano, a intenção, no futuro, é ter um curso específico de Engenharia Aeroespacial. “Antes, vamos observar como o mercado absorve nossos formandos.”

 

A discussão sobre o novo curso começou há cerca de dois anos, por iniciativa de Marcos Pontes, o primeiro astronauta brasileiro. “O Marcos tem uma bagagem absurda e contatos importantes no Brasil e no exterior, além de ser engenheiro de extensa formação”, conta Catalano.

 

Primeiro astronauta brasileiro, Marcos Pontes ajuda a criar projeto para formar engenheiros aeroespaciais

Foto: Paulo Pinto/AE

 

Para Pontes, que em 2006 representou o País na Estação Espacial Internacional, faltam profissionais qualificados para trabalhar no programa espacial brasileiro. “Muita gente sai do País ou trabalha no setor privado”, diz. “Somos um país enorme e precisamos investir em satélites para monitorar nossos recursos naturais, especialmente a Amazônia, e oferecer dados climáticos adequados para a produção agropecuária.”

 

O curso de Engenharia Aeroespacial também é oferecido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, e nas Universidades Federais de Minas Gerais (UFMG) e do ABC (UFABC), na região metropolitana de São Paulo.

 

(Colaborou Thais Caramico)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.