Centenas de alunos da Unesp em greve fazem protesto em Botucatu

Em Sorocaba, 50% dos funcionários entraram em greve; No câmpus de Assis, o manifestação foi ampliada

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

12 Junho 2013 | 22h34

SOROCABA - Cerca de trezentos alunos do câmpus da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu fizeram atos públicos nesta quarta-feira (12) na cidade para reivindicar melhoria no transporte de universitários. Depois de caminhar pela região central com faixas e cartazes, o grupo se concentrou na frente da prefeitura.

De acordo com a estudante Karina Eid, do comando de greve, o transporte faz parte da infra-estrutura do campus, mas é deficiente. "Os ônibus não circulam nos fins de semana, quando o aluno precisa ir à escola usar a biblioteca". Foi agendada uma reunião com o prefeito João Cury Neto (PSDB) para esta quinta-feira.

O transporte é um dos itens da pauta de reivindicações dos estudantes e servidores da Unesp. Eles querem ainda restaurante universitário subsidiado, bolsa-auxílio para quem é de fora e outras melhorias nas condições de permanência estudantil.

Os alunos estão em greve desde o último dia 7, quando uma assembleia com 950 estudantes optou pela paralisação - parte dos funcionários já estava em greve. De acordo com a comissão, alunos de todos os cursos estão sem aulas teóricas, inclusive os dos primeiros quatro anos de medicina.

Segundo Karina, as atividades assistenciais e de apoio ao atendimento médico no Hospital das Clínicas no interior do campus não foram paralisadas. O Instituto de Biociências foi ocupado pelos grevistas, que dormem e se alimentam no local.

Consultada, a Unesp informou que a greve dos alunos se restringe ao Instituto de Biociências e é parcial nos cursos de Medicina, Ciências Agronômicas, Medicina Veterinária e Zootecnia. Há greve parcial de servidores apenas na faculdade de Ciências Agronômicas e no restante do campus as atividades são normais.

Sorocaba

No câmpus da Unesp em Sorocaba, a greve atinge apenas os funcionários e técnicos administrativos - 50% deles estavam parados nesta quarta-feira. A principal reivindicação é 11% de reajuste salarial e a paridade de votos nos conselhos - os docentes têm direito a 70% dos votos, servidores 15% e alunos 15%. Os alunos não aderiram à greve.

Ourinhos

Em Ourinhos, a greve dos estudantes começou há 15 dias e os professores que apóiam o movimento não estão computando as faltas. Os alunos reivindicam aumento no valor de bolsas para extensão, inclusão de auxílio-moradia e convênio com restaurantes da cidade.

Assis

Em Assis, os alunos estão mobilizados desde meados de maio. A greve foi ampliada em assembleia na última sexta-feira. Entre as reivindicações estão ampliação do restaurante universitário e melhorias na biblioteca.

Outro lado

A assessoria da Unesp informou que a demanda emergencial de cada unidade foi levantada e será discutida numa videoconferência nesta quinta-feira com representantes dos alunos. Já foi proposta a criação de uma comissão permanente com representantes dos três segmentos - administração, funcionários e alunos - para discutir critérios de concessão e distribuição de bolsas, moradias e restaurantes universitários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.