Calouros da Unesp furtam em cemitério e são presos

Ao serem pegos, em Araraquara (SP), eles culparam os veteranos e se disseram vítimas de trote

Rene Moreira, Especial para O Estado de S. Paulo,

28 Fevereiro 2013 | 11h51

ARARAQUARA - Uma festa de recepção aos calouros do câmpus da Unesp em Araraquara terminou mal para dois estudantes. Juan Takehiko Kumagai Mendes, de 19 anos, e Raphael Sussumu Mizu Koshi, de 18, foram presos na madrugada desta quarta-feira, 27, pelos crimes de furto e violação de sepultura.

 

Eles foram flagrados por guardas municipais saindo do Cemitério São Bento, localizado no centro da cidade, com um vaso ornamental de flores artificiais. Calouros dos cursos de Economia e Química,  eles disseram que foram obrigados a pegar o objeto como parte de um trote de alunos veteranos. Juan e Raphael são provenientes de São Paulo.

 

Segundo alegaram à polícia, a prova consistia em cumprir a tarefa determinada. Caso contrário, sofreriam punição. A prisão foi feita pouco depois das 3 horas, após a Guarda Civil Municipal ter sido acionada pelo funcionário de uma funerária que notou algo estranho no cemitério.

 

Os dois acusados prestaram depoimento no Plantão Policial de Araraquara. Como nesse caso não cabe fiança, o delegado Elton Hugo Negrini determinou a detenção de ambos. Os estudantes foram encaminhados ao Anexo de Detenção Provisória (ADP) da Penitenciária de Araraquara.

 

Até a noite desta quarta-feira, 27, eles seguiam detidos. O caso será investigado pelo 2.º Distrito Policial, que responde pela área onde ocorreu o crime. Os veteranos poderão ser chamados para depor e podem ser indiciados por participação. O que, no entanto, não deve eximir de culpa os dois calouros.

 

A Unesp deverá apurar o caso através de um procedimento interno, uma vez que o trote envolvendo alunos é proibido também fora da instituição. Diz uma resolução da universidade que a punição para esse tipo de situação "varia conforme a gravidade do caso, podendo chegar ao desligamento".

 

Mais conteúdo sobre:
preso trote alunos cemitério

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.